Novos Caminhos, Velhos Trilhos

junho 14, 2018

3 MESES… LÁ SE VÃO 3 MESES!!!

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 8:52 am

Uma voz clamava no deserto – sim, em meio a sordidez do quadro político carioca, Marielle, com sua atuação, profetizava…
Uma vida perturbava os palácios… ou seria, como Elias, o tisbita, os palácios que transtornam as vidas de milhares de pessoas? #MarielleFranco era a presença incômoda, pois mostrava que outro caminho era possível para a política, que não o da precificação da alma, nos acordos e conluios do poder.
Uma vida transitava… entre pobres e ricos, entre o Leblon e a Maré… porque a dura realidade da injustiça social precisa ser conhecida pelo primeiro grupo, e porque a justiça, os direitos, precisam ser conhecidos pelo segundo… a Galileia dos gentios da sociedade carioca… local onde o Mestre andaria; local onde Deus faz questão de estar.
Uma vida que lutava pela vida. Que sociedade é essa que silencia aqueles que lutam pela vida? O que esperar de uma sociedade que vê com naturalidade a morte e que não se incomoda com o crescente minguamento dos arautos da vida?
90 dias depois de um atentado, mesmo com grande deslocamento de força para sua resolução, os responsáveis por tal barbárie ainda não foram indiciados… Como não há crime perfeito, ou a polícia é muito ruim (o que não creio), ou tem alguém segurando o resultado do trabalho dessa turma… se esse é o caso (o que me parece mais provável), o que tentam esconder/abafar?
Orando especialmente nessa manhã para que Deus mesmo desvele, “trazendo à luz as coisas ocultas das trevas” (I Cor.4:5b). E por favor, entenda: o caso da Marielle é emblemático, simbólico: se não o resolvem, como esperar que solucionem os demais e inúmeros assassinatos que acontecem nesse estado?
#MARIELLEFRANCOPRESENTE #ANDERSONPRESENTE

Anúncios

junho 12, 2018

AS TRAVESSIAS (JOÃO 6:16-21)

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 11:52 am

Se a vida é uma peregrinação e se na vida vivemos migrando, saindo e entrando em novos estágios, fases, empregos, relações, o que fazer para que tais experiências sejam menos doídas e mais aprazíveis? E mais: toda migração, toda travessia tem de ser (essencialmente) feita com Jesus? O texto acima fala de uma travessia que em muito se assemelha ao que passamos. Nem sempre nossas migrações se dão sobre o chão firme das certezas. Por vezes atravessamos tendo como base o mar das dúvidas, somado ao vento da descrença. Além do mais, Jesus não estava no barco com eles, embora tivesse incentivado a travessia.

É importante assinalar também que este texto faz uma travessia entre um momento de euforia e grande adesão a Jesus, com um convite do Mestre à desistência, para aqueles que seguem a Cristo somente para receber algo. Cristo também faz uma travessia pessoal: da multidão para a solitude no monte, do aclamado e votado rei para a missão como Cordeiro de Deus; da terra para o mar, andando sobre as águas.

O que podemos aprender nesse texto, nesta travessia, e que pode inspirar as nossas travessias?

1) No cumprimento da agenda divina, nem sempre Jesus estará conosco ao longo das travessias

Note bem: Jesus sempre está conosco, mas há dias que a nossa percepção dele é como se ele tivesse ainda no monte, distante… Nessas horas, o que fazer? Não sabemos onde Jesus está (ele se retirou para o monte) e temos uma agenda a cumprir… Sugiro a você que nesses momentos de incerteza você se apegue às últimas palavras de Jesus. Fique com a última direção que Ele lhe deu. No texto isso está no verso 17, em sua parte final. Em Apocalipse 2, a Igreja de Éfeso foi convidada a voltar… “lembra-te de onde caíste”, retomar a caminhada a partir da última e clara palavra dada.

Perceba: as travessias não são feitas com a visão de Jesus, mas sim com as PALAVRAS do Mestre! E ficar com as palavras de Jesus é prosseguir. Se agarre na Palavra de Deus!

2) Na travessia há momentos de escuridão, solidão e de “alergia” do mar (v.17,18)

Nem sempre as travessias são tranqüilas. Nessas horas, adversas é que a fé floresce. Isso porque a fé germina no solo da incerteza; ela é plantada em noites escuras. A fé, meus queridos, não é para os fortes, mas para os fracos. Os fortes, via de regra, vão segundo sua força. Através dela se tornam campeões, imbatíveis na arena da vida, até que… aparece outro campeão e os derrota externando sua fragilidade. Para todo Spyder (para mim parecia um froger) há um Weidman esperando… Guarde bem uma coisa: as adversidades não são um teste para os fortes, mas sim um atestado de nossa fragilidade, de nossa fraqueza. Por isso precisamos da fé e também da lembrança de Fosdick: “Qualquer que descarte a fé religiosa nomeia um dia de luto para sua alma, e a coloca em saco e cinzas”.

3)Na travessia, nem sempre Jesus se juntará a nós no início. Por vezes sua aproximação é no final (v.21)

Por que Jesus por vezes se aproxima no final da travessia? Talvez por conta da revelação, da passagem do Jesus para aquilo que a teologia chama de Cristo da Fé… A chegada, nesse sentido, por vezes tem de ser tida como maravilhosa… afinal, como Ele chegou ali? Somente após termos a revelação, essa passagem da figura histórica para a fé no Deus encarnado é que  talvez consigamos ter paz (no lugar de ter medo) quando a palavra de Jesus venha de um jeito sobrenatural. (Não TEMAIS – v.20). Nessas horas a fé descortina outras verdades. Lembre-se: “A fé não é um substituto para a verdade, mas um caminho para ela; há realidades que sem a fé, jamais poderíamos conhecer” [FOSDICK].

Termino então esta breve reflexão afirmando que mais importante do que começar a travessia com Jesus é terminá-la com Ele, dentro do nosso barco, desse barco que simboliza a nossa vida (v.21). E aqui remeto a você a ideia do fim. Quando a nossa maior travessia terminar, falo da vida que temos, e a morte nos encontrar, a segurança que temos e teremos que a eternidade nos aguardará em paz, apesar da turbulenta travessia de alguns, traz descanso para nossa alma. Jesus está conosco nas travessias da vida; Jesus estará conosco, no nosso barco, na nossa última travessia para o céu. Lembre-se: o mais importante é terminar a travessia com Jesus no barco.

Afinal: Jesus está no barco da sua vida? Se não, convide Ele para entrar no seu barco. Bah! É bom demais da conta, tchê!

Pr.Sérgio Dusilek

sdusilek@gmail.com

maio 28, 2018

O Brasil pesado…

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 4:52 pm

Não meu querido, não é só a altíssima carga tributária com pouquíssimo retorno (o que a torna injusta) a culpada do que acontece nesse país. Tampouco a corrupção explica por si só o esfacelamento do Estado brasileiro. Há mais coisas, muito mais.
1) Primeiro temos um modelo híbrido. Não somos capitalistas, nem tampouco socialistas. Aqui, nesse Brasil Colônia, os lucros pertencem a iniciativa privada, às transnacionais que o remetem para o exterior; contudo os prejuízos, ah! Esses são socializados pela nação. Não é isso que acontece com a distribuição da luz? Bandeiras amarela, vermelha… até quando? O certo não seria então colocar bandeiras sobre o lucro da Light, por exemplo? A cada patamar de valores, ela deveria emitir um DARF e reembolsar o Estado… Olhe para a política de preços da Petrobrás… extremamente neo-liberal na ponta do consumo, tendo a base da produção sob controle do Estado… está percebendo? O lucro pode ser remetido para os acionistas; o prejuízo deve ser absorvido pelo povo brasileiro… essa esquizofrenia sistêmica mata qualquer um de raiva. Ora por que então não liberar o refino e a exploração? Se é para se ter política neoliberal de preços, que seja neoliberal na produção… ou então, o que me parece correto, assuma de vez que a Petrobras é uma empresa estratégica e que tem um importante papel social.
2) Segundo, nunca rompemos com os privilégios. A casta dos nobres permanece mesmo mais de um século depois da queda da monarquia. Só que hoje são conhecidos como políticos e magistrados (entre outros funcionários do Judiciário). Como um juiz que tem imóvel próprio, casado com uma juíza do mesmo tribunal, pode ter direito a auxílio moradia (tanto ele quanto ela)? Isso não é direito adquirido; é privilégio não retirado.
3) Temos políticos fracos moralmente e eleitoralmente. E a força eleitoral normalmente está atrelada às excentricidades eleitorais (como o Tiririca, por exemplo). Sem legitimidade e sem uma moral pessoal que chegue “antes da pessoa” ficamos a mercê, como Nação, dos grupos mais organizados. Não se engane: outros grupos tentarão fazer com que outras parcelas do Estado paguem a conta para que suas justas reivindicações sejam atendidas.
4) Nessa esteira, quem está disposto a pagar mais uma cota de sacrifício pelo país? Por que por exemplo a iniciativa privada teria que pagar e passar sozinha pela Reforma da Previdência (caso fosse realmente necessária)? Por que essa conta não chega nos políticos, nos servidores, nos ministros que acumulam aposentadorias com proventos, nos juízes e nos militares? Sim, eu sei que sabemos a resposta… porém a questão persiste: quem estaria disposto a se sacrificar num grande pacto nacional pelo bem do Brasil? E mais: quem estaria disposto a fazer isso tendo o corrupto e inepto do Temer à frente?
5) Por que os governos não enfrentam os grandes agiotas desse país que são os donos dos bancos? No Brasil, guarde bem isso, banqueiro somente o do “bicho”; os demais são todos agiotas. Ora, quer criar novo imposto, quer arrecadar algo mais, taxe o lucro dos bancos. Eles têm muita gordura para queimar nas grelhas do povo.
A lista não acaba aqui, nem tampouco sei se ela tem fim… mas uma coisa é certa: esse país não é para principantes. Em cada entrave, em cada fato grave há muitos significados ocultos que são difíceis de discernir.

Surpreso Sim; Surpresa não.

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 12:22 am
SURPRESO SIM; SURPRESA NÃO…
(Pv.29:1)
Você lembra do multibilionário Eike Batista que após uma reviravolta virou multimilionário? E o quase candidato a Presidência Sergio Cabral que hoje não ganharia eleição de síndico de vila com três casas? Sabe o que eles têm em comum? O fato de ficarmos surpresos com o que lhes aconteceu. Só que para eles não foi surpresa alguma… A greve dos caminhoneiros nos deixou surpresos, mas não foi surpresa para o governo…
Isso porque A “SURPRESA” NÃO VEM SEM OS AVISOS, sem as repreensões. Voce não sabe, mas eles e muitos outros já andavam beirando o precipício há muito tempo. E quem tem o barranco por vizinho, uma hora cai nele. Mas por onde vêm as repreensões? Elas vêm de muitos modos:
  • Recados por mensageiros de Deus – Moisés e Arão x Faraó;
  • Recados por conselhos de familiares – Jônatas falando com Saul;
  • Recados pelo clamor social – Sodoma x Ezequiel 16;
  • Recados pela presença de Jesus – Lamento sobre Jerusalém e sua destruição no ano 70 d.C.
  • Recados por sinais – Belsazar – Daniel 5. (“MEME MEME”)
  • Recados pelo cumprimento de promessas, profecias
As coisas acontecem mesmo quando não as vemos.
 Outro destaque precisa ser feito: a “SURPRESA” ADVÉM DA DUREZA DA CERVIZ; e mais: ELA ENDURECE A CERVIZ;
O texto que lemos fala do quebrantamento de alguém que mesmo sendo advertido, repreendido, acaba mantendo sua cerviz numa rigidez única. Veja o caso de Faraó, exemplo clássico de cerviz dura no Velho Testamento. A Bíblia chega a dizer que  “Deus endureceu o seu coração” (Ex.7:3). As possibilidades para entendimento deste texto são: Erro do escriba; compreensão limitada do escriba; Deus propositadamente agindo – fez de propósito, o que isentaria Faraó de culpa; a noção de que todo aquele que não crê nos sinais de Deus, que não se abre para Ele, tais sinais se tornam instrumento de endurecimento. Ora, não foi assim também o processo com os fariseus diante dos milagres de Jesus?
Por fim, HÁ SURPRESAS QUE IMPEDEM A RECONSTRUÇÃO
Lembra da música da novela Roda de Fogo? (Quem vai colar os tais caquinhos do velho mundo? Quem vai? Pátria, família, religião, e preconceito, quebrou não tem mais jeito não” – Marina Lima). O que quero dizer com isso? Não é o adultério que impede uma reconstrução de um casamento; mas a descoberta/revelação de que o conjuge com quem voce se casou, na verdade não existe;
– Há surpresas, quebras que acontecem de repente! Diante delas:
  • há quebras que esmiúçam de tal jeito o que foi quebrado que é praticamente impossível colar de novo, haver uma solução, uma cura. (Ex.: Voce colocaria Dirceu, Palocci, Cabral, com a chave do cofre?). Pensa num prato “duralex” quebrando… ele estilhaça de uma forma tão grande que não dá para colar novamente.
  • Há quebras que uma cera resolve, esconde (sinceridade – Jeremias 18);
  • Há quebras que pode haver uma colagem dando um novo formato – os chamados MOSAICOSO Mosaico é a garantia de que não vai ser igual, mas vai ser lindo!
Termino então essa breve reflexão perguntando a você: QUAL É SUA CONDIÇÃO? Será que não tem mais como colar? Será que vai ter que ser refeito tudo de novo? Ou a solução é um mosaico?
Pois é justamente sobre o MOSAICO que chamo sua atenção para alguns parelelos: 1) O Mosaico é a forma antiga de fazer arte – Deus desde o Éden faz mosaicos… olhe para Moisés…; 2) o Mosaico tem um projeto elaborado – as peças seguem um esboço – NO MOSAICO, DEUS SEGUE FAZENDO SEU PROJETO COM O QUE ELE TEM NAS MÃOS – ISTO É, SUA VIDA. A VIDA PODE DETONAR VOCE, QUEBRAR VOCE VARIAS VEZES… DEUS SEGUE FAZENDO UM MOSAICO COM seu NOME por Causa do PODER que há no NOME DELE!!; 3) o mosaico pode ser feito de diversos tipos de materiais – assim como de pessoas e situações – assim também DEUS USA QUALQUER UM, ATÉ MESMO OS PEDAÇOS DE UM ; Finalmente, mosaico é um termo que vem da noção de “MUSA” – ou seja, vai ficar lindo! –  O Mosaico é a garantia de que não vai ser igual, mas sim de que vai ser lindo!)

maio 23, 2018

O Brasil de hoje

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 9:18 pm

Alguns pensamentos sobre os últimos acontecimentos no país:
1) Os caminhoneiros estão cobertos de razão ao fazer seu movimento. Há motoristas que tiveram acréscimo de mais de R$2.000,00 reais ao mês no seu custo motivado pela atual política de preços da Petrobrás;
2) Ainda bem que eles têm força para parar essa atual sandice tarifária… os carros não devíamos fazer fila. Devíamos parar também;
3) Isso porque, ao contrário do que a Grande Mídia diz, os preços dos combustíveis sempre tiveram algum controle. Nessa Colônia chamada Brasil, entregar a regulação de preços ao invisível espírito do mercado é sinônimo de mais espoliação. Prova disso é que nas poucas vezes em que o preço caiu na refinaria, não caiu na distribuidora, nem tampouco nos postos. Assim como historicamente inúmeras vezes o preço do Barril tipo Brent caiu no mercado internacional mas o combustível, como um deus, não sofreu qualquer variação, nem sobra dela;
4) A fortuna que pagamos pelo combustível não é só culpa dos impostos do Governo Federal. Há também o caríssimo ICMS que pertence aos Estados. Fora isso há a própria ineficiência da Petrobrás cujo preço de venda na refinaria chega a ser 4 vezes mais do valor cobrado por suas concorrentes internacionais. Chega a ser ridículo a Petrobrás não assumir sua parte de culpa nesse processo;
5) O Pior disso tudo é que caímos nas mãos dos “Angorás” (Moreira Franco e Eliseu Padilha). Gente ineficiente e envolta em tudo que há de pior;
6) Minha preocupação? É de uma paralisação, greve e desabastecimento geral que tire os militares de vez do quartel. Seria trágico, péssimo. Mas, num paralelo com 64, só falta essa paralisação e a marcha das famílias…
7) Orando pelo Brasil. Há muitas, demoníacas forças agindo no Brasil agora. E creia: elas não estão nas boleias, nos acostamentos das principais rodovias; elas estão no centro do poder, em Brasília. Muitas tramas que gerarão muitos traumas são costurados nesse exato momento.

maio 7, 2018

HOJE, ONTEM.

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 10:16 pm

Hoje, Ontem.
Sim, hoje é que me deu um estalo sobre o dia de ontem. 10 anos depois de consumar uma difícil decisão, lá estava eu, feliz com a Igreja Batista Marapendi e com outros amigos, lançando meu primeiro livro. 10 anos depois com provas sobejas de que a vida continuou e de que Deus segue sendo gracioso para comigo.
Se estou em pé hoje, é por causa da consciente decisão de ontem. Se permaneço em pé hoje é porque minha escolha, maturada e também doída, foi feita com CONSCIÊNCIA tranquila e em paz diante do meu Deus.
10 depois estou aqui: Feliz, livre ainda que preso ao que amo (porque amar é também se deixar prender): à Jesus, à minha família, ao ministério pastoral, à Igreja Batista Marapendi, aos amigos de perto e de longe.
Obrigado Deus porque o estalo só veio hoje. Ficaria constrangido, o Senhor sabe bem, se ele tivesse acontecido ontem ou antes-de-ontem.
Muito Obrigado Deus porque o Senhor continua sendo o Narrador por excelência da minha vida.
Hoje, muito mais feliz do que Ontem!

maio 5, 2018

Domingo 06/05: 11:00hs – Lançamento do Livro na www.igrejamarapendi.org.br

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 2:40 pm

livros

abril 23, 2018

A PÁSCOA ACABOU, MAS A RESSURREIÇÃO DE JESUS NÃO TEM FIM! (2)

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 11:15 am

A PÁSCOA ACABOU, MAS A RESSURREIÇÃO DE JESUS NÃO TEM FIM! (2)

Estamos refletindo já por dois domingos sobre a Ressurreição de Jesus, fato este que tem impacto grande sobre nossa vida de fé. E ontem pela manhã falamos das 4 dimensões da Ressurreição de Jesus e sua implicação para as nossas vidas, baseado em Lucas 24:1-12.

1) A dimensão do Corpo (v.1-3): No sepulcro estava o corpo de Jesus. Sobre o Sepulcro estava a Pedra. O Corpo de Cristo é a Igreja (em Efésios Paulo gasta grande tempo nisso). O que isso tem a ver com você? Nós costumamos colocar pedras sobre o Corpo de Cristo a partir de nossas experiências amargas com as igrejas por onde passamos. Nós também procuramos trazer bom cheiro ao Corpo de Cristo (especiarias). Mas perceba: o Corpo de Cristo é vivo, ou seja, NENHUMA PEDRA COLOCADA SOBRE ELE FICARÁ; TODA PEDRA SERÁ REMOVIDA. De igual modo, o cheiro é do Corpo não vem de unguentos e preparos humanos; vem do Espírito Santo que faz com que a Igreja (Corpo) de Jesus exale o bom perfume (II Cor.2:14-16). Discursos, ênfases, modelos eclesiásticos, são especiarias humanas. Não se deixe levar por esses perfumes.

2) A dimensão da memória (v.4,6 e 8): tanto preparo, tanto cuidado e agora grande perplexidade. Perplexidade é quando a vida nos paralisa, quando perdemos as referências. É quando a vida grita que nada está sob o nosso controle. O que fazer nessa hora? Olhe para o texto… o que elas fizeram, ou melhor, foram convidadas a fazer? Relembrar as palavras de Jesus, a dimensão da memória… Não, a esperança “não vem do mar, nem das antenas de TV”, segundo os Paralamas do Sucesso (“Alagados”). Nossa resposta à perplexidade é a rememorização da fala de Jesus.

3) A dimensão do anúncio (v.9): o que esta experiência ensinava àquelas mulheres e que também ensina a nós? O Sepulcro, esse lugar de perdas, de luto, não é nosso lugar. Nosso lugar é o lugar do anúncio: elas apostolicizaram a ressurreição, pois foram as primeiras a anunciá-la. Foram apóstolas antes dos discípulos se tornarem apóstolos… Essa foi a sutil forma de Lucas colocar a paridade ministerial para homens e mulheres. Ele fez algo similar em Atos, ao igualar apóstolos e diáconos na proclamação do Evangelho…

Agora note mais uma coisa: enquanto a cruz é o anúncio divino de Seu Infinito Amor por nós, assim como a proclamação de seu ardente desejo de reconciliação com a humanidade, o sepulcro vazio é a mostra do Seu imensurável poder, cujo anúncio cabe a nós. Nossas vidas, cheias daquela vida (a de Jesus em nós), ANUNCIAM, proclamam o Deus vivo a quem servimos.

4) A dimensão da busca (v.5): nós buscamos Jesus nos lugares errados. Por vezes, por substituição, procuramos paz, satisfação, segurança, realização, naquilo que é efêmero, conquanto possa ser importante. Esquecemos que os poços de Jacó (Jo.4) podem satisfazer momentaneamente nossa sede; contudo, somente Jesus nos sacia por completo.

Nós buscamos Jesus nos lugares errados também quando valorizamos mais o entorno do que a mensagem. Há muitos que procuram cultos com penumbra, palcos (não altares!) com gelo seco e jogo de luz, área de crianças com pretensão de ser uma mini-Disney, etc. Veja, essas coisas podem até, para alguns, ser legais, mas isso não pode embaçar a mensagem, o núcleo do Evangelho. Há muita gente se pegando à forma e esquecendo a essência.

Buscamos Jesus nos lugares errados toda vez que deixamos de ver as expressões de vida na cultura, de valorizar onde a Palavra floresce. Veja: Deus, Sua Palavra e os valores do Reino não estão restritos à Igreja. Eles transbordam e estão espraiados no mundo. Ao ser preconceituoso você busca Jesus no lugar errado, pois a ação divina (v.5) está além de nossa compreensão e da nossa racional teologia.

Minha oração é que você, apesar de suas experiências amargas, viva a dimensão do Corpo de Cristo, Sua Igreja, que não está trancafiado a nenhum espaço físico, nenhum sepulcro. Que nos momentos de perplexidade, você se permita ser lembrado por Jesus. Que haja a dimensão do anúncio, que entendamos que todos somos, em Jesus e a partir do sepulcro vazio, apóstolos (anunciadores) dEle. E que aprendamos a buscar Jesus no lugar certo… no coração (Jer.29:13), sem desprezar com isso as reuniões, os cultos.

Deus lhe abençoe com mais e mais vida em Jesus!

Pr.Sergio Dusilek

sdusilek@gmail.com

abril 18, 2018

#MeToo

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 2:58 pm
Quando há algum tempo atrás falei que se essa campanha de denúncia contra desvios na conduta social de figurões do mundo artístico e político chegasse nas igrejas, ia ser um “balançar da roseira”, nunca imaginei que fosse atingir Bill Hybels… Não dá para entender o porquê dessa turma não parar, não sair dessa roda-viva que eles mesmos criaram com tanto ativismo religioso, para se tratar… Aos primeiros sinais, Hybels (e outros) deveriam ter parado. Veja, ele não é acusado de UM deslize, mas de uma queda de barreira (são várias mulheres ao longo dos anos acusando-o). Ao invés de parar ele (como outros), ao que parece, acelerou ainda mais a máquina religiosa-eclesiástica. Esses sistemas rotos drenam a espiritualidade e profissionalizam a fé. É nessas horas que os “TORPEÇOS” (torpes tropeços) acontecem e se repetem.
Aprendi e tenho aprendido que ninguém está isento de nenhum tipo de pecado. Justamente aquele se julga em pé é que está pronto para cair… (I Cor.10:13).
Também aprendi e tenho aprendido que Deus não deixa ninguém sair, sumir ou subir como mito com tanta nódoa na estola sacerdotal. Uma hora, que não é a minha, nem a sua, a conta chega (Dn.5:5, 24-30; I Cor.4:5; Pv.29:1). E quão triste é esse momento para todos!
 

abril 16, 2018

A PÁSCOA ACABOU; MAS A RESSURREIÇÃO DE JESUS NÃO TEM FIM!

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 12:25 pm

A PÁSCOA ACABOU; MAS A RESSURREIÇÃO DE JESUS NÃO TEM FIM!

Estamos refletindo já por dois domingos sobre a Ressurreição de Jesus, fato este que tem impacto grande sobre nossa vida de fé. É o poder de ressurreição de Jesus, poder que vence e ultrapassa nosso limite, a morte; poder automotivado e autodesencadeado, que não deixa confinar nem àquilo que é óbvio: sepulcro para mortos. É esse poder que ressignifica nossas vidas; que nos tira do poço, que remove as pedras que são colocadas sobre nós.

Lucas gasta um tempo falando sobre a ressurreição. Também pudera… médico, acostumado a lidar com doentes e doenças, a atestar óbitos… ressurreição não era algo encantador, maravilhoso só para as demais pessoas. Era também e principalmente para ele – Lucas, o médico amado. É Lucas quem preserva a igualdade de gênero (masculino/feminino – no texto) e contrasta a desconfiança e descrença dos apóstolos nas mulheres (dizem que elas falaram “lorotas” ao anunciar a ressurreição de Jesus) com seu primeiro destaque: Lucas as chama, praticamente, de apóstolas, uma vez que elas anunciam um Jesus Vivo!

Ora, se temos um Jesus vivo, isso nos impele a um posicionamento diante dele. Assim como José de Arimatéa e as mulheres (Lc.23:50-57). Se José de Arimatéa não se posicionou antes, no Sinédrio por ocasião da condenação de Jesus, ele o faz agora pedindo o corpo de Cristo para Pilatos. Aliás, conquanto a ação seja benéfica, ela aponta para uma triste realidade: tem muita gente boa pedindo o Corpo de Cristo para os Pôncios Pilatos da vida e das igrejas… Voltando a José de Arimatéa, sua atitude deixa um claro exemplo: NUNCA É TARDE PARA SE POSICIONAR DIANTE DE JESUS. Numa  palavra simples: tá na hora de você, que já entregou sua vida a Jesus, se posicionar diante do Seu Corpo, a Igreja, se BATIZANDO.

As mulheres mantiveram seu posicionamento e seguiram uma tradição. Só esqueceram que o Corpo de Cristo não exala perfumes humanos (especiarias e unguentos). O perfume da Igreja não é Azarro, Boticário, CK, etc. O perfume da Igreja vem do alto, vem do Espírito de Deus!

Que tal se posicionar hoje? Chega de preparativos como o daquelas piedosas mulheres. O Corpo de Cristo não precisa dos preparativos, mas sim das pessoas que os preparam.

Que Deus permita a cada um de nós termos a consciência do Jesus Vivo (Oi??? Claro que ele tá!!). Que nossa boca se encha dessa santa mensagem e proclame aos outros. Que sejamos não só discípulos (seguidores) mas também apóstolos (proclamadores) de Jesus.

 Pr.Sérgio Dusilek

sdusilek@gmail.com

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.