Novos Caminhos, Velhos Trilhos

agosto 29, 2018

Geração de “Acabe’s”

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 11:12 am
1)”E levantou-se após ela, outra geração que não conhecia ao Senhor, nem tampouco a obra que ele fizera a Israel” (Jz.2:10b)
2) “E Acabe disse a Elias: És tu, perturbador de Israel? Ao que Elias, respondeu: Não sou eu que tenho perturbado a Israel, mas és tu e a casa de teu pai, por terdes deixado os mandamentos do Senhor, e por teres tu seguido os baalins.” (I Reis 18:17,18)
Sendo bem honesto com você, a cada postagem que faço aqui, tenho a nítida sensação que há muitos que não conhecem ou pelo menos parecem (ou até mesmo fingem) não conhecer o Senhor. A comutação dos princípios em nome de um pragmatismo (religioso ou político), a forma “ACABada” (de Acabe) como outros leem os apontamentos aqui qualificando-os como “perturbação” (o que pode ser visto no teor de certos comentários e nos “seletivos likes”), sendo que perturbadores, cristãmente falando, são os atos apontados, a inversão da ética para justificar o injustificável, ou mesmo para desqualificar quem faz o registro, numa clara “cortinização” do fato em si, me deixam profundamente preocupado com aquilo que me parece ser, na melhor das hipóteses, um flerte com um cristianismo nominal (Ap.3:1).
É um tempo de gente que nomeia os Acabes do mundo como pacificadores e os Elias como perturbadores. Um tempo de pessoas que “coam o mosquito” em suas comunidades de fé, mas que deixam passar não só “camelos”, mas também “mamutes” em nome de uma pacificação que nada tem de paz, pois calcada na mentira e na negação da verdade, assim como as UPP´s cariocas.
Um tempo de gente que passa anos na Igreja e continua sendo infantil; que não amadurece ora por opção, ora pela falta de condição. Sabem pouco de Jesus, de sua vida, obra e notadamente, do Seu Ensino.
Um tempo de gente que se dói com a verdade, mas que se aconchega e se aninha com “doces mentiras”. De pessoas que em nome do reinado, mesmo que seja um ACABiano oscilando entre a negação e a dilapidação dos fundamentos da vida cristã, rejeitam e expurgam os “tisbitas”.
Tempo da pleiteada univocidade comunitária… ora, onde está Jesus se todos são iguais, de direita ali, de esquerda acolá? Será que a ação do Espírito produz automatização, mimetização coletiva, ou concordância (o que é bem diferente)? Desculpe meu querido: locais de univocidade comunitária são locais de manipulação. E onde há manipulação o espírito não é, nem pode ser SANTO.
Com muita preocupação e orando é que escrevo isso aqui. Estamos vendo grassar, no meio evangélico, uma geração de “Acabes” e não de Elias (como dizia um cântico). Uma turma que tolera e deita com Jezabel, mas que não suporta Elias. Não é por outro motivo que digo que tem algo de muito estranho nesse Evangelho.
Pr. Sérgio Dusilek
sdusilek@gmail.com
Anúncios

agosto 27, 2018

OS SALMOS DE LAMENTO III

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 5:27 am

Os Salmos de Lamento-III

Os salmos são a alma no divã. Em cada verso, em cada poema desse impressionante livro da Bíblia, a alma humana se desnuda diante de Deus. Talvez eles precisassem ser lidos assim: como uma conversa, em reservado, do ser humano com Deus.
No reservado nos expomos. Saímos dos códigos sociais e religiosos. Apresentamos nosso ser como pensamos que somos e recebemos o retorno de Deus mostrando as intenções ocultas, porque inconscientes, do nosso coração. Passamos a nos ver melhor e, porque não dizer, a amar mais a Deus. Afinal, como explicar a permanência de Deus nesse ambiente, nessa sala da alma a qual Jesus chamou de tameion (lugar secreto, quarto das quinquilharias), que tanto nos revela e também nos envergonha? 
É aqui que os Salmos de Lamento, para mim, apontam para a salvação. Primeiro porque eles revelam nossa finitude, patenteada nos nossos medos, questionamentos, inseguranças, mostrando nosso real tamanho e nossa total incapacidade de nos salvar. Neles há um constante clamor do Salmista: “Ó Senhor, livra a minh’alma!”.  Segundo porque nos remetem ao amor de Deus, esse amor que Paulo, o apóstolo, qualificou como constrangedor. Senão, como explicar um Deus que perscruta (Salmo 139) esses ambientes do coração humano que nem nós gostamos de visitá-los, pelos quais nossos mecanismos de defesa (Freud) recalcam para nosso inconsciente para que não tenhamos contato, mas cujo Espírito Santo, vez por outra traz à tona para sermos tratados? Um Deus Santo e Puro (Hab.2) que adentra a esses espaços do coração humano para nos ajudar a faxiná-los… Que amor é esse que faz um Ser absoluto vir ao nosso encontro, às nossas necessidades, à nossa pequenez? Que amor é esse que faz com que Deus permaneça nos recônditos da alma que nem nós mesmos conseguimos ficar? É o maravilhoso amor de Deus. 
Lembre-se: não há nada que você faça ou deixe de fazer que fará Deus amar mais ou menos você. O amor de Deus não depende de nós; ele é fruto da essência divina. Afinal, “Deus é amor” (I Jo,4:8).

agosto 18, 2018

Eleições 2018.

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 12:13 pm

Ontem assisti, pela Rede TV (cujo logo é verosimilhante a de uma Igreja Batista da Barra), o debate dos presidenciáveis. Fiquei assustado com o que vi. Tirando Marina e Ciro, que sobraram no debate, o restante foi de mediano para baixo. Se constatarmos que a maior parte dos candidatos é composta de políticos experientes (mais de 20 anos na vida pública), essa fraqueza se acentua ainda mais.
Bolsonaro é o Daciolo envernizado. E só.
No mais, confesso o asco que me deu da instrumentalização da Bíblia no debate, especialmente pelo Deputado Cabo Daciolo (alguém que para meu espanto tem 225 mil seguidores no face!!!??????). Para mim, quem segura a Bíblia na mão num debate político o faz por representação e porque não a tem no seu coração (Sl.119:11). Seu discurso raso, sua compreensão limitada, sua mistura entre narcisismo e mitomania, cujo perigo está no seu autoproclamado messianato e elevado poder persuasivo, é preocupante. Ele fala a língua (esse é o problema do evangélico brasileiro: entroniza o discurso e descarta o “bem-aventurados sois se as praticardes” de Jesus, autor do Evangelho) de 20 milhões (para ser modesto com os números) de evangélicos pentecostais e neopentecostais. Seguramente uns 10 milhões desse grupo se vêem nele – pentecostais e derivados das classes D e E. Com uma disputa tão partida, é até arriscado ter uma pessoa como essa num segundo turno…
Esse cidadão é uma pequena amostra do pior que os evangélicos tem produzido no país (e do que os militares produziram também). Um mimetismo carregado de expressões, mas sem o coração do Evangelho. Um mimetismo que cega, cuja linguagem não toca na realidade. Um mimetismo paraguaio/chinês: conjuga amor, Jesus, com destilamento de ódio no mesmo minuto de fala.
Um aproveitador (ou maluco? não tem meio termo!) que percebeu que a realidade é tão difícil que muitos esperam uma solução, um milagre divino; e que se coloca como messias. Não se enganem: quanto pior ficar a situação, e quanto mais Daciolo conseguir se colocar como O enviado de deus, mais perigoso (e não risível!!) ele fica.
Contudo, lembro aqui: ele tem Bíblia na mão, vai no monte orar, fala em evangeliquês, mas não pertence ao EVANGELHO. É DENOREX (Cabo “Daciolorex”): parece mas não é.

agosto 6, 2018

CBB e a audiência pública sobre o aborto.

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 1:58 pm

E a CBB (Convenção Batista Brasileira) perdeu mais uma oportunidade de se fazer ouvida, de espraiar pelo tecido social suas ideias, de ganhar espaço… Seu representante, Dr.Rega, foi arREGAçado por quem o sucedeu, a Pra.Lusmarina, simplesmente porque ele não entendeu seu lugar de fala. A audiência não visava ouvir um cientista nem tampouco um jurista. Visava ouvir um teólogo cristão. O que fez Pr. Lourenço? Tergiversou sobre genética e bio-direito… sem ser da área, nem tampouco ser uma sumidade intelectual. Deu no que deu…
É lamentável que para um grupo intestino como o batista, as oportunidades de ir além do próprio umbigo sejam desperdiçadas, “intestinalizando-o” ainda mais.
Uma pena, especilamente porque no meio batista há inúmeros e capacitados doutores. Eu realmente não sei quando, nem onde foi dada a cátedra da “Congregação para a doutrina da fé batista” para o Pr.Lourenço; só sei que isso merece ser revisto.

Blog no WordPress.com.