Novos Caminhos, Velhos Trilhos

janeiro 17, 2011

EM 2011 RECUSE-SE A ANDAR ENCURVADO!

Filed under: Estudos — sdusilek @ 8:31 am

Como vai sua coluna? Já apareceu algum bico de papagaio ou mesmo uma hérnia resolveu visitá-la? A idade é cruel, não é mesmo? Outro dia fui pegar uma caixa que pegava aos 20 sem menor aquecimento, e quase me senti como o Hulk… parecia que ela iria romper as costas e a camisa… Queimou as costas! Doeu pra chuchu!

Infelizmente não é só nas costas que a gente se curva. A nossa alma reproduz o mesmo comportamento físico. Por vezes nos prostramos. Nossa estrutura emocional, nosso ser interior pode se envergar dependendo do peso e do tempo que o carregamos. Não se engane: há pesos, como por exemplo, da súbita perda de um ente muito querido, que nos fazem envergar. São pancadas que a vida nos dá. E elas acertam bem no meio de nossa “coluna”.

Outra coisa que nos atrapalha a andar eretos são fardos que carregamos por grande período de tempo. Uma luta no relacionamento, uma discordância societária, q               uando são por fatores sérios e por longos períodos acabam encurvando as pessoas. Nenhuma coluna foi feita para carregar muito peso por muito tempo. Daí nosso desgaste. Para você que anda sobrecarregado, há um doce e impreterível convite de Jesus (Mt.11:28): “Vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados, e EU vos ALIVIAREI.” Aleluia!

Por fim há o Diabo. Esse gosta de oprimir e de comprimir nossa vida, a fim de que nos encurvemos. Gente curvada tem dificuldade de ver o céu. Gente que olha para baixo dificilmente espera receber algo de cima. Assim era a vida daquela mulher (Lc.13). Vivia há 18 anos debaixo do domínio de Satã, sob o estigma da religião. Estava tão encurvada, tão presa, tão errada em seus conceitos (Jesus precisou acertá-la, endireitá-la) que não conseguiu perceber, notar Jesus. Contudo, e o Evangelho é lindo por ser assim, mesmo quando não O notamos, Ele nos vê (v.12)! E Jesus a chamou, retirando-a de seu lugar para colocá-la no lugar que Deus tinha para sua vida.

Sabe quando aquela mulher se endireitou, deixou de andar de modo errado e encurvada? Quando, atendendo o convite do Senhor, ela foi para debaixo das mãos dEle (v.13). Se há pelo menos 3 fatores que nos encurvam na vida (carregar um peso grande por longo período, pancadas que sofremos, ou mesmo o Diabo querendo nos oprimir), há um lugar e um só e suficiente fator que nos conserta: as Mãos de Jesus!

Portanto, meu querido irmão e minha querida irmã, recuse-se a andar encurvado em 2011. Coloque-se sempre debaixo das mãos de Cristo, pois o Senhor tem visões mais elevadas para lhe mostrar (Is.40,45)!

Deus lhe dê ESTRUTURA!

Pr.Sergio Dusilek

21-86488609

 

janeiro 12, 2011

MAIS INSTRUÇÕES – Mateus 2:22b

Filed under: Estudos — sdusilek @ 11:24 pm

Há momentos na vida que temos de dar uma parada. Não só para descansar, mas sobretudo para saber em qual direção avançaremos. Foi exatamente isso que aconteceu com José.

Só para “tirar a teima”, José não era um cara medroso. A forma como ele resolveu tratar a questão da gravidez de sua noiva (Maria – Mt.1:19) trazendo sobre si o ônus da quebra do contrato nupcial, além de topar assumir a paternidade do Filho de Deus (Mt.1:24)… isso revela um cara de caráter e de coragem. No entanto, mesmo com toda aquela coragem, ele parou (MT.2:22). E aqui aprendemos que:

1)      Quando não sabemos o que fazer, temos de parar para aguardar mais instruções. Sabe por que muitas vezes damos cabeçada na vida? Simplesmente porque nos precipitamos. Tomamos decisões baseadas em indícios e não em instruções. José não teve paz para prosseguir e aguardou maiores instruções. Por vezes Deus não nos dá paz para terminarmos (ou continuarmos) um namoro, para mudar de emprego, para ter uma conversa delicada, entre outros. Nessa hora temos de pedir e esperar novas instruções, até que paz de Cristo se estabeleça em nosso coração sacramentando nossa decisão (Col.3:15). Agora, cá entre nós, é isso o que você tem feito?

2)      Tudo muda quando Jesus para nós se muda. Quando Cristo passa a fazer parte de nossa vida, nós passamos a pensar em relação a Ele. Nossas decisões são tomadas agora sobre o prisma do Senhor, e não de acordo com o que achamos. Essa foi a diferença do José de Mt.1 (resoluto, até certo ponto intempestivo), para o José de Mt.2 (ponderado, reflexivo). O que Jesus tem mudado em você?

3)      Deus é tão grandioso que usa aquilo que nos parece incorreto (direito não exercido de morar na Judéia, no caso de José) para escrever a Sua História e, porque não, REESCREVER a nossa história (Mt.2:23). A História de Jesus seria identificada com Nazaré. Deus simplesmente pegou uma injustiça que José sofrera e a usa e transforma num cumprimento de Sua Palavra. Meu querido irmão lembre-se que sobre as injustiças que você sofre vão sendo confirmadas e escritas as Palavras e Promessas de Deus (Sl.12:6).

Se você está para tomar uma decisão importante e crucial para sua vida, contudo não tem paz sobre o que deve ser feito, ore a Deus e peça mais instruções. E ligue as antenas porque os anjos do Senhor (todos que têm uma Palavra dEle para você) lhe passarão “mais instruções” vindas do Alto.

Deus lhe dê PAZ!

Pr.Sergio Dusilek

 

FALANDO FRANCAMENTE…

Filed under: Teologia — sdusilek @ 11:21 pm

Uma das marcas do ministério paulino era a franqueza.

Paulo não escondeu suas lutas, ele as revelou (II Cor.4 é um bom exemplo).

O apóstolo defendeu seu ministério, seu apostolado, algumas vezes, entre elas, na sua carta aos Gálatas (cap.2).

Ele exerceu juízo sobre gente devassa (I Cor.5:13) e sobre ex-colaboradores que eram duros e resistentes ao Senhor (I Tim.4:14). Em todos os casos abordou-os com clareza.

Em suma, Paulo deu uma leitura espiritual às experiências que viveu.

E continuou sendo o apóstolo Paulo! O que ele escreveu você lê, medita, reconhece como Palavra Inspirada de Deus! (e faz muito bem porque o é!).

Por que agora molestam a mim?

Por favor, não confundam ética com etiqueta. Não abordar uma situação pode ser bom para a etiqueta,  mas não para a ética.

Por favor, não pensem que tudo que escrevo aqui (como um rapazinho outro dia falou) é sobre uma determinada igreja. O mundo espiritual é um “pouco” maior que a sua igreja/prédio, por maior que ela seja. O que escrevo tem abrangência maior… tanto que gente de diferentes lugares postam comentários e mandam e-mail´s para agradecer e dizer que passam pela mesma coisa (I Pe.5:9).Quando é sobre uma realidade direta, aponto o nome. Quando é sobre algo que atinge, INFELIZMENTE, mais igrejas, mais pessoas, eu falo em tese. Se você tem dúvida, por que não compra e lê o livro “Por que você não quer mais ir a igreja?” Ou ainda, por que não analisa o texto do Danilo (Blog Genizah) sobre os “desigrejados”? Os assuntos que abordo aqui são mais comuns do que você imagina…

Além do que há inúmeros estudos, textos devocionais por aqui. Uma obtusidade falar que este blog é monotônico.

Falo também das minhas experiências. São coisas que vivi e que vivo. Se você não gosta das experiências e não concorda com a leitura espiritual que faço, procure outro blog para ler. Mas esse aqui é meu. E não faz sentido outra pessoa querer pautar meu blog… só gente muito arrogante, desprovido de comunhão com o Espírito para pensar e sugerir isso…

Por isso quero repetir: se você procura etiqueta o blog que você precisa acessar é o do Fashion Rio… se quiser fazer melhor, ver um blog para as mamãe de primeira viagem, pode acessar o link do “mamaesinhas de primeira viagem”.  Aqui é para quem se interessa naquilo que é essencialmente bíblico e naquilo que é verdade. Mentira não faz parte desse “site”, porque não faz parte da minha vida. Se você continua me achando errado tenho uma péssima notícia para sua vida: você acabou de condenar metade do Novo Testamento (Romanos a Fliemom). Sua Bíblia ficou menor… que triste não?

Termino citando Gal.6:17: “E que ninguém me moleste, porque trago comigo as marcas de Cristo.”

Pr.Sergio Dusilek

janeiro 10, 2011

O SILÊNCIO DO PAI

Filed under: Estudos — sdusilek @ 8:05 pm

TEXTOS :                 Texto Bíblico: Mt.26:36-56; Mc.14:32-50; Lc.22:39-53; João 18:1-14;

Leituras Diárias: a)Mc.14:32-42; b)Mt.6:5-15; c)João 17; d)Ef.3:14-21; e)Jo.15:1-17; f)Mt.26:36-46

Texto Básico: Mt.26:36-46;  ///  Texto Áureo: Mt.26:39;

Introdução

Já pediu algo para Deus e parece que Ele ficou em silêncio? É uma experiência angustiante, não é mesmo (Is.45:15, Jó 23:8-10)? Pois com Jesus não foi diferente. Ele fez um pedido de todo o coração ao Pai, repetiu o mesmo três vezes e só obteve o silêncio divino. Isso ocorreu no Getsêmani.

O Getsêmani era o local onde havia uma prensa (uma grande roda de pedra que moia as azeitonas, para que elas vertessem o óleo, o azeite), cercado por um olival, o qual terminou dando o nome aquele localidade de Monte das Oliveiras. Tal monte era uma cadeia de colinas das quais a mais alta situava-se a 900m acima do nível do mar. O monte das oliveiras ficava a leste de Jerusalém, separada dela pelo vale de Cedrom.

O silêncio do Pai aconteceu na última noite de liberdade de Jesus. Nas próximas 24h o Mestre seria preso, dilacerado e morto. E nesse episódio da vida de Jesus percebemos que o Senhor não era uma “aparição”, mas sim alguém que tinha carne. No Getsêmani vemos a humanidade de Jesus manifesta não só na sua angústia, mas também nos dois pedidos que fez aos discípulos (pediu a companhia e a intercessão deles). No Getsêmani notamos a humanidade de Jesus pela prensa emocional que passou e enfrentou. Aliás, como bem disse Pr.Levi Araújo, “sem prensa não há óleo e sem óleo não há unção”.

A-O PRÉ GETSEMANI

Jesus tinha acabado de receber mais uma tentação: um convite para ir para a Grécia, ser um dos grandes mestres de filosofia da humanidade (Jo12:20-25). Provavelmente eles já tinham ouvido falar de Jesus e queriam que Ele estivesse por lá, vivendo e sendo valorizado como sábio. Só que Cristo sabia que ele não tinha vindo para ser reconhecido, mas sim para se dar a conhecer e para cumprir o propósito redentivo de Deus. A prensa já tinha começado a girar antes mesmo da entrada do Mestre no Jardim das Oliveiras.

B-NO GETSEMANI

A riqueza da Bíblia mostra que os destinos da humanidade foram selados em dois jardins: a morte no jardim do Éden e a vida no jardim do Getsêmani. E isso porque Adão não quis beber o cálice da obediência; mas Jesus o sorveu até o fim (Rm.5).

A figura do cálice aqui está associada a idéia contemporânea de “injeção letal”. Tomar o cálice no Mundo Antigo era não só padecer, mas experimentar um sofrimento tal que redundaria na morte. Sócrates foi obrigado a tomar o cálice com veneno (cicuta) para que recebesse sua condenação. E Jesus estava tomando o cálice da obediência que continha o veneno da humanidade, isto é, todo pecado cometido na História. E Ele fez isso movido por amor e por livre vontade.

A noção da liberdade que Jesus tinha (daí sua angústia) está exalada na intercessão que ele fez. Jesus orou fazendo um pedido entre iguais eritao (no grego). Um pedido de Deus para Deus, de Deus Filho para Deus Pai. Ele não orou aiteo(no grego – Mt.7:7), pedindo algo ao Pai como sendo inferior/subordinado a Ele. Jesus tinha total condição de desistir, mas ele insistiu. E por conta disso temos hoje a salvação!

CONCLUSÃO-ALGUMAS LIÇÕES DO GETSEMANI

Jesus nos ensina que devemos orar e vigiar o tempo todo. Orar e vigiar impede-nos de cair em tentação e evita também que deixemos de notar a chegada do fim (Mt.24:42). Por vezes nos comportamos como os discípulos: fizemos tanta coisa no dia que quando anoitece e chegamos ao nosso jardim (nossa casa) não conseguimos nem orar. Só o que fazemos é dormir. Penso que quando isso ocorre ocasionalmente, por atendimento a uma emergência ou outra até que é tolerável. Contudo, se sua vida no quarto só se resume a dormir, creio que você precisa urgentemente fazer uma alteração de agenda. A prioridade tem que ser Deus.

Precisamos aprender também que nem todo pedido nosso vai redundar em atendimento imediato, como a nossa geração do controle remoto gosta tanto de ter, nem tampouco em algo próspero (como muitas igrejas apregoam por aí). Pode ser que o Pai queira que sejamos como a 2a parte da galeria da fé (Heb.11:32-40). Gente da qual o mundo não é digno, mas que honra a fé e é herói dela também.

Jesus nos exemplifica que nas horas de angústia, de agrura, é também a hora de ficar com os discípulos. Temos de ter companhia de discípulos de Jesus nos momentos da vida em que somos prensados pelas circunstâncias adversas. O Senhor se manteve a uma pequena distância dos apóstolos (mikron – grego). Jesus se mostra também um Deus que se recusa a ficar longe de nós, mas que anseia por proximidade. Na hora do aperto, quem está próximo de você? Quem você convida para entrar no “jardim espiritual”contigo?

Por fim há uma figura interessante aqui. Alegoricamente podemos traçar um link entre o Getsêmani e o Pentecostes. Jesus, prensado e vertido em azeite no Getsêmani, sinaliza para a vinda do Azeite celestial, o Espírito Santo da promessa, no período do Pentecostes (At.2). Não houve prensa desnecessária, mas até o Getsêmani foi anunciador do cumprimento da profecia de Joel 2:28.

Quando somos prensados, devemos recorrer a única coisa que cabe-nos fazer no nosso Getsêmani – orar. Se você está sendo prensado(a), ore, se derrame diante de Deus, mas se sujeite à vontade Soberana dEle. Saiba também que todos as prensas pelas quais passamos Deus usa para nosso bem (Rm.8:28). Há coisas que não entendemos agora, porém a compreenderemos depois. Foi assim com Jesus, por que não seria assim conosco?

[ESTUDO PUBLICADO NA REVISTA DIÁLOGO E AÇÃO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2008]

Pr.Sergio Dusilek

sdusilek@gmail.com


 

janeiro 9, 2011

Delícia…

Filed under: 1 — sdusilek @ 9:14 pm

janeiro 3, 2011

O GRANDE TESTE DOS 12

Filed under: Estudos,Teologia — sdusilek @ 6:20 am

TEXTOS :                 – Texto Bíblico: Mt.16:1-28, 17:1-23; Mc.8:27-38, 9:1-13, 30-32, 10:32-34

Leituras diárias: a) Is.53; b) Heb.9:11-28; c)Lc.9:18-21; d)Mc.8:27-30; e)Lc.9:28-36; f)Mt.16:13-28; g)Mt.17:1-13

Texto Básico: Mt.16:13-28;  Texto Áureo: Mt.16:16;

Introdução

Uma das grandes dificuldades que vivemos como crentes no mundo é a ojeriza que este tem da idéia de Igreja. O que frequentemente ouvimos é que igreja é invenção de pastor, que Jesus jamais quis ou sequer falou sobre ela. A verdade é que o novo testamento apresenta Jesus como o fundador da Igreja, e coloca sua palavra no meio do mais severo teste que os discípulos tiveram.

Para você entender melhor esse contexto do grande vestibular dos discípulos, quero convidá-lo a olhar com a lente de Marcos. Ele coloca três predições de Jesus (a sua morte está contida em todas elas), junto de três erros dos apóstolos que geraram 3 grandes ensinos sobre o discipulado. A primeira predição foi seu anúncio de morte/paixão, logo após a grande confissão petrina. Pedro então vacila ao se deixar usado pelo Diabo e sofre severa repreensão. Jesus passa a ensinar que para ser discípulo é preciso amá-lo mais do que a esta vida.

A segunda predição é o anúncio da traição e da entrega. Os discípulos, vendo que aquela missão afunilava, começaram a debater pelo caminho, num reflexo de pura carnalidade quem era o maior. Sabe por que isso era carnalidade? Porque você pode servir ao Senhor sem cargos, posição; mas nem todos que têm posição servem a Ele. E nisso eles não eram muito diferentes de alguns adolescentes hoje que querem posição sem ralação, que ficam interessados em cargos, e não em servir ao Mestre. Cá entre nós… você é assim?  Jesus os repreende e ensina-os que no Reino o primeiro tem de ser o último, isto é, tem de ser servo (9:35).

Por fim há o terceiro anúncio de que o Senhor seria entregue na mão dos religiosos. Tiago e João pedem um lugar de destaque no Reino e Jesus os reprova dizendo que discípulo é sinônimo de serviço, não de poder (10:43).

A-COMO VOCE VÊ A JESUS?

Mas o grande teste deles foi a pergunta de Jesus sobre como eles o viam (8:27-30). Naquela oportunidade eles transitavam por Cesaréia de Felipe, região ao norte do mar da Galiléia, perto do Monte Hermom. Engraçado é que justamente passando pelo local da celebração da união (Sl.133) é que sai da boca deles a confissão de Jesus como Messias (Joao 17:21-23), mas também a disputa por poder. Talvez eles estivessem no ápice da unidade entre eles. E não há melhor forma de pregação do que a unidade do povo de Deus, a vivência da comunhão em amor fraternal. E é justamente nesse apogeu da unidade é que o Diabo tenta aflorar a nossa carne em disputas pelo poder. Já ocorreu isso entre sua turma de adolescentes ou entre sua  igreja?

Interessante é também notar que justamente entre os gentios é que os 12 compreenderam quem eles eram e quem era Jesus. Esse contexto de alteridade, de diferença tem de resultar em nós a certeza de que não pertencemos a esta realidade, a este mundo. Por exemplo: é normal se sentir diferente quando você está entre pessoas não crentes. Anormal é se sentir igual. Sabe  por que? Porque  Jesus faz toda a diferença.

E a vida diferente começa com a definição de quem é Jesus. Enxergá-lo como Messias é ver a cruz não como local da derrota, mas sim da vitória! Jesus não foi conduzido à cruz como um derrotado. Ele sofreu, mas caminhou para a cruz  com a certeza de que ali ele consumaria sua vitória e a nossa redenção. Enxergá-lo como Messias é assumir que Ele é Deus, Senhor e Salvador da minha vida e que vai direcionar o meu viver.

Enxergar Jesus como Messias é saber que não Pedro, mas a confissão petrina é que o alicerce da igreja. A mensagem de que o Cristo veio é o fundamento sobre o qual a igreja está construída. Ao longo da história a Igreja católica perverteu essa passagem e esse contexto para inserir a “doutrina” da linhagem papal. Jesus não construiria sua igreja sob base tão fraca (Pedro). Contudo, sobre a verdade eterna da deidade, messianidade e obra salvífica do Cristo, Ele podia assentar e edificar a Sua igreja.

B-A TRANSFIGURAÇÃO

Aliada a aprovação do grande teste, veio a confirmação cabal de quem era Jesus. A transfiguração foi um momento singular onde alguns discípulos puderam ter um vislumbre da Glória de Deus. E também puderam ver de modo simbólico que a Lei (Moisés) e os profetas (Elias) testificavam e estavam sujeitos a Cristo. É finalmente no Novo Testamento que descobrimos quem estava com Moisés na Nuvem (Ex.31-33). Penso que essa passagem aponta para uma mesma nuvem, que anteriormente cobrira o Sinai e agora cobria Jesus, Elias e Moisés.

Essa nuvem mostra para nós que Deus está acima de toda a revelação e que o conhecimento que apreendemos dEle é aquilo que o Senhor quis mostrar. Isto quer dizer que Deus não está completamente destrinchado na Bíblia, mas que toda a Bíblia mostra e revela um pouco mais sobre Ele. Como é bom saber que temos um Deus que está para além do que conhecemos (ICor.13:12) e que por isso pode fazer infinitamente mais além do que pedimos ou pensamos (Ef.3:20)!

A transfiguração também aponta para uma realidade: não devemos nos acomodar nos encontros com o Senhor! Mas devemos após esses encontros devocionais (no nosso quarto) resplandecer e anunciar para os outros que estivemos com o Messias. O que Pedro tentou fazer? Queria continuar por ali, em tendas. Ora, a Palavra de Deus não pode ser nem contida em tendas, nem em corações. Ela tem de ser propagada. Você tem feito isso?

CONCLUSÃO

Aqui está o cerne de toda a nossa diferenciação com a cultura na qual estamos inseridos. Pela cultura, Jesus foi “o cara”. Mas isso é reduzi-lo, e muito. Jesus foi o Messias enviado e Ele é Deus. Jamais duvide de que Ele é o Senhor pelo qual tudo subsiste (Cl.1:17). E tenha sempre coragem de afirmar que Jesus Cristo é a cara de Deus! (Jo.14:7-14).

Se hoje você fosse submetido a esse grande teste, quem sabe por um colega do estudo ou do trabalho, será que seria aprovado? Você diria, mesmo num contexto diverso e adverso que Jesus é o Filho de Deus, o Cristo/Messias enviado? Afinal, quem é Jesus Cristo para você?

Pr.Sergio Dusilek

sdusilek@gmail.com

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.