Novos Caminhos, Velhos Trilhos

março 23, 2011

A Despedida de Jesus – Convite à Missão

Filed under: Liderança — sdusilek @ 2:51 pm

A despedida de Jesus (Mt.28) é marcada por um certeza acalentadora (Ele estará conosco todos os dias), uma constatação avassaladora (toda autoridade foi dada a Ele) e um desafio monumental – fazer discípulos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

É justamente no fazer discípulos que a igreja mais peca! Fato é que não é necessário ter igrejas para que haja discípulos. Para que haja discípulos é preciso ter o Mestre. E no caso do cristianismo, outros discípulos que, de tão próximos do Senhor Jesus, queiram replicar seu modo de vida fazendo novos discípulos. Igrejas são importantes para o cuidado e até certo ponto, permanência dos seguidores (se bem que nos dias atuais elas tem mais tirado do que atraído discípulos).

Discipulado vem não só pela instrução, mas sobretudo pelo padrão, tipo, modelo a ser seguido. Um discípulo reproduz o que seu mestre é. Para tanto, é preciso que ele conviva com ele.

Pois numa sociedade de consumo como a nossa que transfere para Deus esse mesmo tipo de relacionamento (o de consumo), está cada vez mais difícil ver gente conectado ao convite de Jesus. Todos querem o bem estar espiritual e acham que isso se encontra em concreto, fachada, pintura, ar condicionado, enfim, em estrutura. Contudo esquecem que o verdadeiro bem estar no serviço a Deus vem do prazer de ver alguém ser regenerado por Cristo, de ter alguém rumo a perdição sendo transformado por Jesus, de ver gente crescendo na compreensão e vivência da Graça de Deus!

É por isso que para muitos seria um escandâlo hoje pensar em abandonar uma estrutura confortável para apoiar um trabalho menos confortável. Fazer como Paulo fez: largar a Igreja de Antioquia para trás (At.13) e sair para plantar novas igrejas, formar novos discípulos, isso continua sendo para poucos. Interessante que em uma de suas viagens, tencionando ir para a Ásia (At.16.6), Deus dá a ele uma visão: e essa visão fala de alguém pedindo para que pregasse o evangelho na Macedônia (At.16.9). Mal sabia o apóstolo que como fruto de sua obediência a visão, e não teimosia a ela, ele iria ser usado para plantar a igreja de Filipos, a que mais alegrava seu coração. É… a vida com Deus é assim… coisas que não pensamos, nem imaginamos estão reservadas para gente que obedece…

Essa visão era fruto de gente que buscava ao Senhor com seu coração, mas que ainda tateava o escuro para encontra-lo (At.16.14). Lídia adorava a Deus. E o Senhor sabia que ela o fazia de modo inadequado, conquanto fosse com o coração. Por isso o Senhor enviou Paulo e ela foi batizada, porque o Espírito agiu no seu entendimento, uma vez que seu coração estava pronto para o Evangelho.

Como falamos no início, a despedida de Jesus foi um convite à Missão. Não a uma “congregação” mas a um desafio maior de fazer discípulos. E isso cabe a todos nós que cremos no Senhor.

Obedecendo a essa visão é que Deus nos guiou para a área do RIO2 (Abelardo Bueno). Isso porque ela representa hoje um grande deserto espiritual sem igrejas presentes para proclamação do Evangelho. Lá o Senhor vem acrescentando gente que tem sido salva e gente que precisa de restauração. Tem também levado gente com coração pronto para ministrar ao Senhor. “Paulos” dos nossos dias.

Há porém ainda muitas Lídias naquela área. Gente que busca a Deus com coração sincero, ainda que não sabendo bem como, nem “onde” faze-lo. Também há muitos poucos “apóstolos” por ali. Por isso quero estender a você o convite da parte de Deus (a visão do Senhor para você é a visão desse texto no seu computador) para passar a nossa “Macedônia” e ajudar-nos a fazer discípulos. Faça parte do cumprimento da Missão de Jesus, e desfrute da maior alegria que é fazer discípulos.

Deus o abençoe!

Pr.Sergio Dusilek

sdusilek@gmail.com

21-86488609

março 3, 2011

O QUE JESUS ESPERA DE NÓS?

Filed under: Estudos — sdusilek @ 12:32 am

TEXTOS :                 – Texto Bíblico: Lc.24;

Leituras Diárias: a)At.1:4-9; b)Mt.28:16-20; c)Mc.16:15-20;d)Jo21:15-20; e)Lc.24:36-49; f)Jo14e15;

g)Jo.20:19-27  ///  Texto Básico: Lc.24:36-49   ///   Texto Áureo: Lc.24:48

Introdução

Há duas coisas que Jesus faz após a sua ressurreição e que de certa forma nos alcança hoje, como alcançou diretamente os apóstolos há quase dois mil anos atrás.

Em primeiro lugar Jesus ministra paz aos discípulos (Lc.24:36b). A palavra no grego é eirene que se refere a paz que só Jesus pode dar, pois ela excede a todo entendimento (não está limitada às circunstâncias). Essa paz dá direcionamento (Cl.3:15), e não é dada  por troca (como o mundo faz – Jo.14:27), e é uma paz existencial. Para aqueles que temiam e que estavam angustiados, em saber o que fazer, essa palavra de Jesus foi certeira.

A segunda coisa que o Mestre faz é consolidar o seu ensino. Em especial no tocante a sua morte e ressurreição, como foram com os discípulos a caminho de Emaús (Lc.24:45). Interessante notar que justamente na hora da comunhão (no partir do pão) é que eles reconheceram Jesus. Nossa percepção do Senhor é mais acurada quando estamos em comunhão, assim como quando vivemos amargura deixamos de desfrutar da plena Graça de eus em nós (Heb.12:15).

A-OUTROS IMPORTANTES PONTOS DO ENSINO DE JESUS

Jesus aproveita esses momentos (Lucas registra que foi por quase 40 dias – At.1:3) para dar algumas outras instruções aos seus liderados. Ele fala que em seu nome haveria perdão e salvação (Lc.24:47 e At.4:12). Aborda também que o anúncio da ressurreição, de um Senhor que vive, tinha que começar por Jerusalém (At.1:8), mas concomitantemente ir para as demais regiões. A ordem não era de uma restrição primeira. Não era para ganhar o bairro, a cidade, o estado e somente depois ir para evangelizar o mundo. Era para fazer as coisas de maneira simultânea. Tanto essa visão limitada (de começar e terminar a evangelização em Jerusalém) que eles tiveram incomodou ao Senhor que ele permitiu que houvesse uma perseguição para que o evangelho então pudesse ser espalhado (At.8).

Jesus também relembra a vinda do Espírito (o qual ele tanto explicou no seu último estudo com os 12 – João 14-16). Essa vinda seria o cumprimento da profecia de Joel 2:28 a qual ocorreu em Atos 2. E o Espírito revestiria a eles com o poder do alto (Lc.24:49), para que eles testemunhassem.

B-O QUE JESUS ESPERA DE NÓS?

O poder do alto, todos nós que somos convertidos (nascidos de novo – Jo.3), já o temos. Na verdade nosso problema hoje não é buscar a Glória de Deus, mas sim o que fazer com ela. Pois ela já está presente no coração de todos os que são salvos. E esta glória é o Espírito Santo da promessa.

O Espírito não nos foi dado somente como garantia da salvação (Rm.8; Ef.1:13,14; IICor5:5), mas também como capacitador e poder de Deus para realizarmos a obra dele (IITim.1:7; I Cor.12). E essa obra tem haver com a idéia de testemunha. Deus nos chama para testemunhar, contar o que você tem visto e ouvido do que Ele tem feito em sua vida e na vida daqueles que você conhece e são alcançados por esse poder (At.4:20,33). Ser testemunha é ter compromisso com a verdade. E Jesus é a verdade (Jo.14:6, 8:32).

Ser testemunha (grego – marturía) é não ter medo de morrer por Jesus (IICor.13:8, At.7). Se houvesse uma perseguição aos evangélicos no Brasil, creio que muitos negariam a fé em Jesus, como ocorreu no princípio da Igreja. Sabe por quê? Porque há muita gente querendo ser de Jesus de modo “light”, sem responsabilidade e sem “stress”. Só que a raiz no grego para a palavra testemunha é a mesma para a palavra mártir (aquele que morre por uma causa). O que quero dizer a você de todo o coração é que ser testemunha de Jesus é estar disposto a morrer por Ele, pela verdade.

Mas como adolescentes vão viver esse grau de testemunho se não querem nem ser batizados? Um dos significados do batismo (Rm.11) é que ele é uma forma de testemunhar aquilo que Deus fez por você. Pois há adolescentes que não querem dar esse testemunho… seria por que ainda não conhecem a Verdade – Jesus? Se você já é crente, não tem que esperar um convite especial de Deus para ser batizado. O Espírito quer que você obedeça a Jesus (Mt.28:18-20). Se você já é convertido, tem de haver em você a mesma pergunta do eunuco etíope com Filipe: “que me impede de ser batizado?”(At.8:36). E aí, está esperando o que para ser batizado? Por que você não procura seu líder ou seu pastor ainda hoje?

CONCLUSÃO

Jesus não espera que você seja um catedrático conhecedor da Bíblia, enquanto adolescente. Mas ele espera que sejamos testemunhas. E isso todos nós podemos fazer, porque temos visto a ação do Senhor em nossas vidas. Você não tem experiências com Deus em oração? Conte-as para seus amigos. Você não foi salvo? Conte para seus amigos como foi sua conversão. Isso é ser testemunha. E é exatamente isso que Jesus espera de você.

 

Pr.Sergio Dusilek – sdusilek@gmail.com

[Estudo publicado na revista Diálogo e Ação da JUERP da CBB no 3o trimestre de 2008]

 

Blog no WordPress.com.