Novos Caminhos, Velhos Trilhos

junho 14, 2018

3 MESES… LÁ SE VÃO 3 MESES!!!

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 8:52 am

Uma voz clamava no deserto – sim, em meio a sordidez do quadro político carioca, Marielle, com sua atuação, profetizava…
Uma vida perturbava os palácios… ou seria, como Elias, o tisbita, os palácios que transtornam as vidas de milhares de pessoas? #MarielleFranco era a presença incômoda, pois mostrava que outro caminho era possível para a política, que não o da precificação da alma, nos acordos e conluios do poder.
Uma vida transitava… entre pobres e ricos, entre o Leblon e a Maré… porque a dura realidade da injustiça social precisa ser conhecida pelo primeiro grupo, e porque a justiça, os direitos, precisam ser conhecidos pelo segundo… a Galileia dos gentios da sociedade carioca… local onde o Mestre andaria; local onde Deus faz questão de estar.
Uma vida que lutava pela vida. Que sociedade é essa que silencia aqueles que lutam pela vida? O que esperar de uma sociedade que vê com naturalidade a morte e que não se incomoda com o crescente minguamento dos arautos da vida?
90 dias depois de um atentado, mesmo com grande deslocamento de força para sua resolução, os responsáveis por tal barbárie ainda não foram indiciados… Como não há crime perfeito, ou a polícia é muito ruim (o que não creio), ou tem alguém segurando o resultado do trabalho dessa turma… se esse é o caso (o que me parece mais provável), o que tentam esconder/abafar?
Orando especialmente nessa manhã para que Deus mesmo desvele, “trazendo à luz as coisas ocultas das trevas” (I Cor.4:5b). E por favor, entenda: o caso da Marielle é emblemático, simbólico: se não o resolvem, como esperar que solucionem os demais e inúmeros assassinatos que acontecem nesse estado?
#MARIELLEFRANCOPRESENTE #ANDERSONPRESENTE

Anúncios

junho 12, 2018

AS TRAVESSIAS (JOÃO 6:16-21)

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 11:52 am

Se a vida é uma peregrinação e se na vida vivemos migrando, saindo e entrando em novos estágios, fases, empregos, relações, o que fazer para que tais experiências sejam menos doídas e mais aprazíveis? E mais: toda migração, toda travessia tem de ser (essencialmente) feita com Jesus? O texto acima fala de uma travessia que em muito se assemelha ao que passamos. Nem sempre nossas migrações se dão sobre o chão firme das certezas. Por vezes atravessamos tendo como base o mar das dúvidas, somado ao vento da descrença. Além do mais, Jesus não estava no barco com eles, embora tivesse incentivado a travessia.

É importante assinalar também que este texto faz uma travessia entre um momento de euforia e grande adesão a Jesus, com um convite do Mestre à desistência, para aqueles que seguem a Cristo somente para receber algo. Cristo também faz uma travessia pessoal: da multidão para a solitude no monte, do aclamado e votado rei para a missão como Cordeiro de Deus; da terra para o mar, andando sobre as águas.

O que podemos aprender nesse texto, nesta travessia, e que pode inspirar as nossas travessias?

1) No cumprimento da agenda divina, nem sempre Jesus estará conosco ao longo das travessias

Note bem: Jesus sempre está conosco, mas há dias que a nossa percepção dele é como se ele tivesse ainda no monte, distante… Nessas horas, o que fazer? Não sabemos onde Jesus está (ele se retirou para o monte) e temos uma agenda a cumprir… Sugiro a você que nesses momentos de incerteza você se apegue às últimas palavras de Jesus. Fique com a última direção que Ele lhe deu. No texto isso está no verso 17, em sua parte final. Em Apocalipse 2, a Igreja de Éfeso foi convidada a voltar… “lembra-te de onde caíste”, retomar a caminhada a partir da última e clara palavra dada.

Perceba: as travessias não são feitas com a visão de Jesus, mas sim com as PALAVRAS do Mestre! E ficar com as palavras de Jesus é prosseguir. Se agarre na Palavra de Deus!

2) Na travessia há momentos de escuridão, solidão e de “alergia” do mar (v.17,18)

Nem sempre as travessias são tranqüilas. Nessas horas, adversas é que a fé floresce. Isso porque a fé germina no solo da incerteza; ela é plantada em noites escuras. A fé, meus queridos, não é para os fortes, mas para os fracos. Os fortes, via de regra, vão segundo sua força. Através dela se tornam campeões, imbatíveis na arena da vida, até que… aparece outro campeão e os derrota externando sua fragilidade. Para todo Spyder (para mim parecia um froger) há um Weidman esperando… Guarde bem uma coisa: as adversidades não são um teste para os fortes, mas sim um atestado de nossa fragilidade, de nossa fraqueza. Por isso precisamos da fé e também da lembrança de Fosdick: “Qualquer que descarte a fé religiosa nomeia um dia de luto para sua alma, e a coloca em saco e cinzas”.

3)Na travessia, nem sempre Jesus se juntará a nós no início. Por vezes sua aproximação é no final (v.21)

Por que Jesus por vezes se aproxima no final da travessia? Talvez por conta da revelação, da passagem do Jesus para aquilo que a teologia chama de Cristo da Fé… A chegada, nesse sentido, por vezes tem de ser tida como maravilhosa… afinal, como Ele chegou ali? Somente após termos a revelação, essa passagem da figura histórica para a fé no Deus encarnado é que  talvez consigamos ter paz (no lugar de ter medo) quando a palavra de Jesus venha de um jeito sobrenatural. (Não TEMAIS – v.20). Nessas horas a fé descortina outras verdades. Lembre-se: “A fé não é um substituto para a verdade, mas um caminho para ela; há realidades que sem a fé, jamais poderíamos conhecer” [FOSDICK].

Termino então esta breve reflexão afirmando que mais importante do que começar a travessia com Jesus é terminá-la com Ele, dentro do nosso barco, desse barco que simboliza a nossa vida (v.21). E aqui remeto a você a ideia do fim. Quando a nossa maior travessia terminar, falo da vida que temos, e a morte nos encontrar, a segurança que temos e teremos que a eternidade nos aguardará em paz, apesar da turbulenta travessia de alguns, traz descanso para nossa alma. Jesus está conosco nas travessias da vida; Jesus estará conosco, no nosso barco, na nossa última travessia para o céu. Lembre-se: o mais importante é terminar a travessia com Jesus no barco.

Afinal: Jesus está no barco da sua vida? Se não, convide Ele para entrar no seu barco. Bah! É bom demais da conta, tchê!

Pr.Sérgio Dusilek

sdusilek@gmail.com

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.