Novos Caminhos, Velhos Trilhos

setembro 23, 2014

Maturidade e Mudanças

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 4:43 pm

Maturidade e as Mudanças

Um dos indicativos sinais da “adultice” ou maturidade é a reflexão. Se quando mais jovens somos levados pela impulsão, conforme vamos envelhecendo passamos a usar o freio da reflexão. Quando novos topamos qualquer aventura; quando mais velhos somos relutantes em entrar em novos desafios.

Isso em si não é mal. É bom. É sinal de etapas da vida sendo vividas. Na maturidade avaliamos onde estamos e onde queremos chegar. É por isso que nessa etapa de vida muitas rupturas acontecem. E por ser na maturidade, elas não ocorrem da noite pro dia. Elas, ainda que produzam muita dor devido ao processo que venha a ser escolhido, revelam um processo avaliatório. Não é a toa que muitos são triturados pela crise dos “40”.

Mas o que fazer diante de uma crescente e visceral vontade de mudança?

A Bíblia fala de um homem que ao que tudo indica, após 40 anos preso a uma mesma situação restritiva (At.4:21-22), o que talvez tenha-o feito desistir de qualquer cheiro de mudança, teve sua vida mudada. Esse acontecimento é relatado em At.3:1-10. O que fazer então?

Em primeiro lugar, mantenha o curso da normalidade. Rupturas radicais somente com uma voz do Alto. Perceba, não é com alguém gritando. É com um som que vem do céu. Interessante que o texto mostra que aquele homem nem levantava mais para olhar. Ele somente esticava a mão de pedinte e balbuciava algumas palavras para ganhar uma esmola. Tanto é que Pedro manda ele olhar para eles. Um som, uma palavra vindo de cima iria mudar sua sorte.

Rupturas radicais feitas sem direção divina, por mais justificadas existencialmente tendem a gerar muita dor. Dor essa que é vivida pelo agente da ruptura e por todos que o cercam e amam. Não estou apregoando aqui o conformismo. Só estou alertando você para o perigo das mudanças muito radicais sem uma clara direção do Alto.

Em segundo lugar, para realizar alguma mudança é preciso parar de olhar para as nossas limitações (v.4). Aquele homem só olhava para baixo. E o que ele via constantemente diante dos olhos? Suas pernas atrofiadas que o impediam de andar. Quem olha muito para suas imperfeições; quem contempla muito suas limitações invariavelmente desenvolverá uma aguçada auto-piedade. E a auto piedade é a paralisia da alma. Gente assim não consegue se mover, não consegue promover uma vírgula sequer de mudança. Você é daqueles que só choram as limitações, isto é, as lamentações? Ou é daqueles que enxergam suas debilidades mas procura vencê-las?

Em terceiro lugar, cabe destacar que o que esperamos do Alto é muito pouco perto do que Deus pode nos dar (v.5). O que aquele homem esperava do alto? Algumas moedas de esmola. O que o Alto tinha para lhe dar? Muito mais além do que ele podia pensar ou imaginar (Ef.3:20). Isso porque se o melhor que temos é o melhor que podemos dar, o que não dizer do coração de Deus, de onde procede toda virtude, tudo que é amável, doce, puro, honesto (Fil.4:7-8) e todas as bênçãos (Sl.115)?

Por fim destaco que a restauração está ao alcance das mãos. É interessante essa percepção prática da fé. Fé não é aquilo que precisa ser processado por um rigoroso estudo na academia, a qual se tornaria um produto disponível após anos de pesquisas. Fé está ao alcance das mãos, de toda e qualquer mão. Aquele homem então se agarra a destra de Pedro. E essa é uma linda imagem. A destra de Pedro naquele momento figurava, representava a destra de Deus, que ao longo da Bíblia sempre esteve a disposição para levantar os caídos. E seguro pela destra de Deus aquele homem adentra por uma nova e mudada vida. Um novo caminho para quem ficava a margem dele, tanto no sentido literal (ao lado da porta da religião), quanto no figurado (um coxo era encarado como sendo punido pelo seu pecado e portanto distante e distanciado de Deus).

As rupturas radicais operadas por Deus ou sob seu comando geram alegria. Houve festa por conta do milagre daquele que agora era um saltimbanco (no sentido de quase um artista circense) salvo. A Porta Formosa voltou a ficar linda. Pois onde Deus manifesta seu Amor, a beleza se torna exuberante.

Que você O deixe inspirar sua vida e suas mudanças!

Pr.Sergio Dusilek

sdusilek@gmail.com

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: