Novos Caminhos, Velhos Trilhos

janeiro 27, 2014

SOBRE A ASSEMBLÉIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA

Filed under: Sem categoria — sdusilek @ 4:56 pm

Antes que você faça mau juízo a meu respeito quero dizer que não estou bronqueado com a vida. Também pudera: seria muito injusto se assim fizesse com a família que tenho, a presença de Jesus, os amigos que andam comigo. Semelhantemente não estou estressado, porque acabo de voltar de férias. Nem tampouco sou daqueles que não amam a denominação ou o pior, daqueles que usam dela para satisfazerem seu ventre. Até mesmo porque, na circunferência abdominal que hoje ostento e na situação que a denominação se encontra, acho que nem que quisesse daria para enchê-lo… (rsrs!).

Deixo claro também que não estou contra ninguém em particular na denominação, mesmo porque não sei da autoria do que comentarei aqui. Este pequeno texto é só a observação de um pastor batista, apaixonado pela denominação a tal ponto que prefere a marginalização que lhe foi imposta do que o ferir esse sentimento da alma. Parece que a consciência crítica, até mesmo para um sistema que em tese teria lugar para os divergentes, visto que somos democráticos, não é muito bem quista. E sem os críticos a deterioração é inevitável. Principalmente quando falamos de algo pertencente ao universo religioso. Por onde andavam os profetas no tempo dos reis de Israel?

Andei vendo ao longo dessa última semana vários e diferentes posts no facebook falando da Assembléia da CBB que está sendo realizada em João Pessoa-PB. Há coisas lindas acontecendo. Vibro e celebro quando temos 200 batismos, sinal de que anteriormente 200 pessoas foram salvas por Jesus. Me emociono ao saber que um homem destruído pelas drogas, que vivia como um zumbi na cracolândia é alvo do poder de Deus a ponto de se preparar para ser um pastor! Que coisa magnífica! É de arrrancar do fundo da alma pelo menos um sonoro “Aleluia”!

Contudo, me preocupa:

a) o exercício de uma temática endógena. Se bem que na CBB mesmo, houve o que considero um sadio flerte com uma agenda exógena quando se falou de adoção e de famílias monoparentais. Mas mesmo assim, boa parte da temática é abordada na perspectiva da guerrilha, do entrincheiramento e não do diálogo. Quer ver um exemplo? Acho pouco provável que algum orador tenha abordado a questão dos casais homossexuais e transsexuais. O que uma Igreja deve fazer com eles que não seja o caminho do banimento, da expulsão? Há algo para se fazer?

b) a repentina mudança de alguns… pessoas extremamente ácidas com tudo o que se referia a denominação e que agora quase postam fotos de “oração silenciosa”, de “plenários vazios” por ter acabado a reunião… o que aconteceu ou está acontecendo? Era uma anterior falsidade ou seria agora uma adesão ao carreirismo denominacional? Confesso que fico sem entender…

c) a instrumentalização de pessoas… o sistema usando gente para fazer sua propaganda. O pior tipo de marketing para mim não é o que anuncia um produto, mas aquele que coisifica as pessoas, tornando-as parte de uma “coisa maior”. A coisa maior que existe deveria ser o ser humano. A vida humana não pode ser sobrepujada por nenhum sistema. Então, conquanto celebre os batismos e vibre com a ordenação desse colega que teve sua vida transformada, me causa certa apreensão ver o uso que o sistema está fazendo dessas vidas. Um ex-viciado foi alguém abusado pelo sistema do narcotráfico. Temo que agora ele o seja pelo sistema religioso…

d) dessa instrumentalização sempre me vem uma pergunta: para que se faz isso? Tem algo que precisa ser velado, não notado e que para tanto, seja necessário desviar o foco? É para reanimar o povo e a liderança? Bom, uma assembléia convencional deve existir com o propósito de ser um Oásis, ou ainda de ter um efeito narcotizante? Por que não fazer uma reflexão profunda sobre o porque de (nesse caso) tanto desânimo e o que poderia ser feito para instrumentalizar a cada um a busca uma auto-motivação ou mesmo uma motivação do Alto?

e) a inautenticidade de algumas práticas e mais ainda para onde elas apontam. Aprendi que batismo se celebra na igreja local. Essa é uma razão pela qual teria dificuldade de batizar alguém, por exemplo, na banheira de sua casa, ainda que 3 líderes da igreja estivesse comigo ali. Aprendi também que quem consagra pastor é a Igreja local. Mas a assembléia dá indícios de uma “episcopalização”. Ora, ainda que a Igreja de Cristo esteja ali reunida, ela o está não como uma Igreja Local, mas como esfera decisória denominacional. Lamento por exemplo que tenha sido tirado o privilégio da consagração ao pastorado da igreja que investiu nesse moço. Ou ele vai ter outra consagração? Ou já teve? Se forem mais de uma… qual valeu? Qual foi “fake” e qual foi “a vero”?

Conquanto reconheça que faça bem aos propósitos convencionais, não gosto dessa inautenticidade. Aliás, me preocupo com ela.

f)  os preletores sejam normalmente “amigos do rei”. Por que não ouvir alguém crítico para repensar a prática (chega de repensar estrutura!) batista ou até mesmo, o futuro batista? Por que não ouvir a leitura de um acadêmico, de um doutor sobre a denominação? Ou ainda, por que não parar para escutar a visão de líder de outra denominação sobre nós? “Pode ser”, como diria a Pepsi?

g) por fim, com o mundo gritando aqui fora com Dilma assinando seu atestado de incoerência gastando R$26.000,00 na diária de um hotel em Portugal mas pregando a ajuda aos pobres em Davos; com crianças morrendo na guerra da Síria; e o pessoal da CBB numa discussão sem fim sobre a ordenação de pastoras, falando da criação de uma nova ordem de pastores… num universo totalmente paralelo. Chego por vezes a pensar que a turma que procura ET´s tá buscando no lugar errado… ora vasculhando o céu, ora olhando para os “lugares místicos” da terra, enquanto nossas assembleias convencionais são uma boa amostra “ufológica” (rsrs!).

Ressalto que não estou contra a denominação. Talvez você agora entenda porque estou à margem dela. Porém sigo lutando para manter essa paixão denominacional acesa dentro de mim. Aliás, cansando de tanto lutar…

Com um misto de respeito, consternação e preocupação,

Pr.Sérgio Dusilek

sdusilek@gmail.com

12 Comentários »

  1. Concordo com as palavras do Pr. Sérgio Dusilek e suas ponderações. Amo a denominação batista (CBB), mas infelizmente boa parte da liderança adota o liberalismo em suas decisões, seguem o mesmo caminho de Adão e Eva, id est., se distanciando do Eterno Deus e, portanto, adotando as mesmas práticas do mundo dentro das igrejas, para satisfazer e entreter os membros e congregados. Além do mais buscam o crescimento quantitativo.

    Comentário por Nelson Ando — janeiro 27, 2014 @ 6:12 pm | Responder

  2. PASTOR, SOBRE O PONTO A – O PASTOR SILVADO TOCOU NESSE ASSUNTO EM SUA PRIMEIRA MENSAGEM;
    ACHO Q SUA REFLEXÃO FICA DIFÍCIL DE ANALISAR SE COLOCADA COMO FOI – SISTEMA X INTELECTUAL MARGINALIZADO. FICA A IDEIA Q A GENTE TEM Q TOMAR O SEU PARTIDO E SE TIVER UMA VISÃO OTIMISTA É PORQUE FOI COOPTADO… TALVEZ AS PESSOAS AMADUREÇAM E ENTENDAM QUE SÓ PODEM INFLUENCIAR POR DENTRO, PARTICIPANDO, ERRANDO JUNTO, SEM CONTUDO PERDER O SENSO E A HUMILDADE PARA RECONHECER E TENTAR DE NOVO.

    Comentário por GILVALDO — janeiro 27, 2014 @ 6:20 pm | Responder

    • Gilvaldo,
      Nem sei como responder seu comentário… não sei por onde começar… mas receba o carinho de quem passou 30 anos indo a CBB.
      Pr.Sergio

      Comentário por sdusilek — janeiro 27, 2014 @ 8:36 pm | Responder

  3. Boa Sérgio!

    Comentário por Fernando Lemos — janeiro 27, 2014 @ 6:44 pm | Responder

  4. Querido Sérgio,
    Que orgulho poder ler esse texto.
    Estou à margem tb. Inclusive tenho tido dificuldades para ouvir certos pregadores. Resolvi me exilar.
    Percebi que certas inquietações minhas não são bem aceitas por vários irmãos. Mas hoje, chegando aos 50, sei que só o tempo pode esclarecer certos equívocos. Há um casal de Ita, que sempre que me encontra pede desculpas pelos desaforos que me disseram nos anos 90 por causa dos temas e das atividades propostas aos adolescentes naquela época.
    Tenho tentado encarar certos absurdos com um comportamento que classifico como maturidade. Nada tem com a idade cronológica, mas com a intensidade dos sofrimentos vividos no tempo de liderança na igreja.
    Sinto que poderia estar na luta, mas não sei nem por onde começar. Leio e escuto absurdos. Mas não encontro identidade nos discursos.
    Cada vez que encontro posicionamentos seus, fico feliz. Há uma luz no fim do túnel do tempo. Sei que ainda há muito a realizar e espero o tempo de Deus. sua palavras têm me dado sinais de que o tempo está chegando.
    Tenho orado por vc e por outros queridos líderes que ainda pensam e lutam para não perder a identidade. Fique firme! Pode parecer loucura para muitos, mas vc tem visão. Hoje isso é para poucos!Vc não está á margem, está onde Deus deseja. Acredite, Ele sabe o tempo e o lugar.
    Compartilho de seus ideais e as diferenças são essenciais para que as idéias se firmem em ações. Obrigada pela expressão de suas idéias manifestada em palavras. Vc tem me alcançado e fez surgir em mim a esperança de que o momento está chegando. as oportunidades vão surgir e poderemos então compartilhar o que temos sentido,visto, vivido e refletido num ambiente de paz..
    Bjs
    Ruth França

    Comentário por Ruth França — janeiro 27, 2014 @ 6:48 pm | Responder

    • Oi Ruth! Receba meu carinho! Vi Mariana no aniversario do Davi (aliás Dani Matheus me mostrou porque daquele tamanho eu jamais a reconheceria) e quase cai para trás.
      Deus abençoe sua querida familia. Quando puder, venha visitar-nos! Beijao pra vcs!

      Comentário por sdusilek — janeiro 27, 2014 @ 8:31 pm | Responder

  5. Sérgio, sempre fui seu fã, embora não tenha ideia de quem eu seja, não importa. Entretanto, lendo seu artigo, embora acredite que cada pessoa tenha direito de fazer o que quiser com sua opção sexual, não consigo acreditar no que sugere, tomara, esteja enganado – “Quer ver um exemplo? Acho pouco provável que algum orador tenha abordado a questão dos casais homossexuais e transsexuais. O que uma Igreja deve fazer com eles que não seja o caminho do banimento, da expulsão? Há algo para se fazer?” Outras declarações suas também me preocupou, mas essa me preocupou mais ainda, abraço.

    Comentário por Neidivaldo Dias da Silva — janeiro 27, 2014 @ 7:18 pm | Responder

    • Prezado Neidivaldo,
      O que sugiro é a reflexão séria sobre o tema. Aquela que nasce do Amor e da Graça e não do medo e do preconceito. É simples assim. Sobre as possiveis e demais “preocupantes declarações”, só posso dizer que a distância entre nós é de fato real. Talvez vc tenha cultivado uma imagem minha e não o que sou. Mas sem problemas. Oro para que Deus o abençoe, mesmo porque Ele está perto de nós.

      Comentário por sdusilek — janeiro 27, 2014 @ 8:28 pm | Responder

  6. Numero .genero e grau

    Comentário por marcelo — janeiro 27, 2014 @ 8:18 pm | Responder

  7. Sérgio, importantes e necessárias reflexões, digna de um verdadeiro batista. Aliás liberdade de crenca, de pensamento, princípio batista já há muito esquecido e por alguns, infelizmente nunca aprendido, foi exercido aqui com muita profundidade e clareza.

    Abraços

    Comentário por Uipirangi Câmara — janeiro 27, 2014 @ 10:00 pm | Responder

    • valeu Uipirangi! Deus o abencoe!

      Comentário por sdusilek — janeiro 27, 2014 @ 10:55 pm | Responder

  8. Sergio, sem palavras amigo. Fico feliz de você expressar sentimentos que temos em comum, mas eu não tenho toda esta eloquência para expressá-los. Faço sua a minha voz.!!!! Abs Josué Salustiano

    Comentário por Josué Salustiano da Costa — janeiro 28, 2014 @ 12:15 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: