Novos Caminhos, Velhos Trilhos

agosto 9, 2008

A SENSIBILIDADE DO DESERTO

Filed under: Estudos — sdusilek @ 12:38 am
Tags:

Nunca pensei que o deserto fosse um lugar de sensibilidade. Sempre achei que por conta da contrária intempérie (calor escaldante de dia e frio alucinante a noite), o deserto acabasse por tirar do ser humano qualquer possibilidade de ser sensível. Seria como uma anulação nevrálgica continuada (os neurologistas que me perdoem!). Diante de tamanha dificuldade, o ser iria perdendo a sua sensibilidade…

Mas tenho aprendido que é no meio de ambientes empresariais, onde circulam ar condicionado e pessoas em profusão, é que a insensibilidade reina. Justamente aonde normalmente não há escassez é que os nervos são mais prejudicados. Isso porque as intempéries profissionais produzem estragos ainda maiores dos que as climáticas… Há locais de trabalho que são verdadeiros desertos: lá voce encontra solitude (ninguém se importa com voce); calor excessivo (a pressão por resultados é desumana); frieza glacial (praticamente ninguém sabe o que se passa com voce). Daí para a insensibilidade plena é somente um pulo, um “logo ali” bem mineiro.

O maior problema para nós é quando essa ambiência desértica empresarial ganha as paredes da igreja. Justamente um local que deveria promover a sensibilidade a ponto de que as folhas (seus membros) pudessem sentir o passar e a direção do vento (o Espirito – Joao 3). Sem essa sensibilidade, a igreja pode balançar para qualquer lado, menos para a direçao que o Espirito aponta. Uma igreja espiritual não é só aquela que promove a devoção. Uma igreja espiritual é aquela em que a estrutura pouco aparece, visto que as pessoas servem ao Senhor com fervor e desprendimento. Igreja espiritual tem a estrutura por esteio e as pessoas por cabeça. No linguajar futebolístico, é quando o juiz menos aparece é o momento em que ele melhor apitou.

Ir para o deserto é por vezes restabelecer a sensibilidade. Davi quando foge de Saul vai para o deserto (I Sm.24). E lá ele escreve um lindo Salmo, o 63. Justamente na hora de maior privação, Davi tem sua sensibilidade aumentada. No deserto, onde falta tudo, ele diz que a Graça de Deus é melhor que a vida (v.3). É no deserto que ele percebe que Deus o continuará fartando. Preste atenção: não era alimentar-se numa dieta forçada, nem tampouco o prenúncio do que futuramente seriam os “SPAS”. Davi pode perceber que no deserto há fartura da provisão de Deus (v.5) para sua vida. No deserto nós só podemos nos apegar a DEUS (v.8). E também no deserto somos alvo da mentira, porque quem nos tirou do palácio, ficou por lá. Mas Davi recebe a clara convicção de Deus que a boca dos mentirosos será tapada pelo Senhor que o ampara no deserto (v.11).

Não sei se voce foi levado para o deserto. Não sei se voce esta nessa fase de adaptação ao deserto. Nem sei se o inimigo tem levantado mentiras e insinuações a seu respeito. Só sei que Deus, que é Quem controla a nossa vida, permitiu que voce fosse ao deserto, não para adaptar os outros, mas para transformar ainda mais voce. Pensando bem, o que é melhor: viver com o espírito da mentira no palácio ou com o Espirito Santo da Verdade no deserto?

Aproveite esse tempo para ouvir o que Deus esta lhe dizendo. Medite, não nas coisas que para trás ficaram, mas naquilo que provém de Deus (Col.3:1-3). No fundo, em termos espirituais, o privilegiado é voce.

No deserto somos mais sensíveis. No deserto vemos mais claramente as manifestações de amor e cuidado de Deus. Não há como confundi-las! Porque no deserto é só voce e Ele. E é no deserto que falamos como Davi: “Deus, tu és o meu Deus; ansiosamente te busco. A minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água.” (v.1)

No deserto a vida ganha valor. Simplesmente porque aprendemos a valorizar o simples viver/respirar. Catástrofes nos fazem emocionar e chorar. Tudo isso porque saímos daquilo que se convencionou a normalidade da vida. As cores ganham preponderância, bem como os contatos interpessoais. Tudo passa a ser mais interessante, porque no deserto aprendemos a ver os detalhes. Chega da visão do produto acabado e mostrado pelas campanhas de marketing! No deserto vemos as coisas como são e as valorizamos justamente porque são.

No deserto a fé ganha contornos de praticidade. Como prover? O que Deus ira fazer? Para onde o Espirito me guiará? Essas são questões de quem anda no deserto. Sair de um lugar para outro pode ser ato de fé (confiar numa direção). Mas fazer como Filipe que saiu de Samaria para o deserto (At.8) isso sim é um exemplo de fé. Jamais duvide da direção que o Senhor está lhe dando.

Como esta a sua sensibilidade? Deus nos leva para o deserto para que Ele trabalhe nosso coração em especial restaurando a nossa sensibilidade.

Pr.Sergio Dusilek

Anúncios

8 Comentários »

  1. Serginho (ou Pr. Sérgio), 🙂

    Comentário por André Rangel — agosto 8, 2008 @ 11:36 pm | Responder

  2. De novo…

    Interessantíssima esta analogia do deserto com o ambiente corporativo e com as igrejas.

    Existem locais onde sobram estruturas, sobram vaidades, sobram recursos mas falta o contato, falta o amor, e enfim, a sensibilidade, o cuidado com o outro.

    Locais que de tão grandes, as pessoas ausentes já não fazem “tanta falta” a ponto de serem buscadas pelos pastores e irmãos.

    Engraçado isso. Não devemos tampouco achar que por nossa conta e risco deixamos de congregar, que todos deveriam vir nos “buscar” o tempo todo. Devemos ter o anseio de estar na presença do Senhor, mas a total ausência de interesse por parte das igrejas também não pode passar em branco.

    Desejo que este blog seja mais um caminho de benção para você e para todos nós.

    Estou orando por vocês. Adorei a mensagem que a Lili mandou hoje.
    Paz!
    Andre.

    PS: Nada de tomar coca-cola light, hein 😉

    Comentário por André Rangel — agosto 8, 2008 @ 11:40 pm | Responder

  3. Olá Pr. Sérgio!!!

    Fiquei muito feliz pelo blog!!!
    Que possa ser um instrumento de benção em nossas vidas!!!
    Que Deus continue te abençoando!!!

    Pois como diz lá em Salmo 23 “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo”

    É maravilhoso saber que temos em nós hoje a presença do Espírito Santo e que podemos ser guiados por Ele em todo tempo de nossa caminhada. Deus habita em nós; somos templo, morada dEle e isso faz da nossa vida um verdadeiro sinal do reino de Deus aqui na terra.

    Em minha vida, já passei por muitos desertos, momentos difíceis e às vezes até mesmo inexplicáveis. Porém, nada disso foi motivo para que eu questionasse ou duvidasse do amor e da presença de Deus. A palavra de Deus é clara. Até mesmo quando somos fracos, Deus nos faz fortes. Ou seja, Deus nunca nos quer fraco, sem forças, desanimado ou se sentindo um nada. Pelo contrário, hoje somos representantes de Deus nesta terra, levamos a palavra da verdade e por isso digo com firmeza… mesmo que estejamos em “desertos” da nossa vida, podemos ter a certeza de que este deserto vai passar e a vitória vai chegar.

    O deserto não é o fim, ele vai passar e a presença de Deus irá sempre permanecer em nossas vidas pois Deus sempre nos fortalecerá!!!

    Abç!!!

    Comentário por Raphael Senra — agosto 11, 2008 @ 7:15 pm | Responder

  4. Sérgio querido,

    O Senhor, o seu Deus, está em seu meio, poderoso para salvar. Ele se regozijará em você; com o seu amor a renovará, e ele se regozijará em você com brados de alegria.
    Eu lhes darei honra e louvor entre todos os povos da terra, quando eu restaurar a sua sorte, diante dos seus próprios olhos, diz o senhor. Sofonias.3:17,20

    Esse é o meu desejo!

    Bjs

    Que Deus continue cuidando com muito carinho de você.

    Eliane

    Comentário por Eliane Ramos — setembro 3, 2008 @ 10:09 pm | Responder

  5. PASTOR SERGIO,GOSTEI MUITO DE SABER QUE ESTÁ AGORA COM UM ‘BLOG’ E QUE PODEMOS SABER DE TUDO CONCERNENTE AOS SEUS CAMINHOS E DATAS. FIQUEI REALMENTE FELIZ EM SABER QUE JÁ ESTÁ TRABALHANDO. QUANTO AO COMENTÁRIO DA
    SENSILIDADE DO DESERTO, ACHEI MARAVILHOSO. EU MESMA, JÁ ME ENCONTREI EM PLENO DESERTO, MAS COM MUITA FÉ E
    PERSEVERANÇA DEIXEI TUDO PARA TRÁS E FOI UM GRANDE ENSINAMENTO NA MINHA VIDA. COM TANTA LUTA, HOJE JÁ SEI
    ME DEFENDER DE TUDO, DIGO ISTO, PORQUE A TEMPOS ATRÁS FUI COMPLETAMENTE SOZINHA, ISTO É, COM DEUS SEMPRE
    ME ACOMPANHANDO E ABENÇOANDO. ‘DESEJO TUDO DE BOM E QUE DEUS TBEM O ABENÇOE, JUNTO COM SUA ESPOSA. AMÉM.
    ARLENE.

    Comentário por ARLENE PEREIRA PESSOA — setembro 23, 2008 @ 7:09 pm | Responder

    • É no desreto que amadurecemos, aprendemos muito. Deus esteja sempre contigo, após passarmos pelo deserto, encontraremos refúgio, após o sol escaldante encontraremos o refrigério. Amém?
      Dra Arlene, se for a sra, uma das advogadas, na época, do sr. José Honório de Paula. Trabalhou anos no SENAI, juntamente com o dr.Nilo César Martins Pompílio da Hora, por favor entre em contato conosco, sou filha do sr. José Honório. precisamos de algumas orientações. Grata pela atenção.

      Comentário por Maura Lucia de Paula — fevereiro 24, 2012 @ 10:21 am | Responder

  6. prezado pastor
    Muito interessante e apropriado esse texto, nestes dias de extrema e espalhafatosa divulgação de que estar cheio do Espírito é só MANIFESTAÇÃO DO ESPETACULAR DE DEUS _
    Kennet Hagin num de seus livros posteriores ao enorme sucesso que alcançou, escreveu: o ‘povo de Deus está buscando o ESPETACULAR e em detrimento do espiritual’

    Deserto de fato é tema que Deus tem falado ao meu coração várias vezes :compartilho:

    1- Jesus cheio do Espírito,levado ao deserto
    para ser tentado pelo diabo Mt 4
    fiquei esterrecida! COMO? a gente vê esses que cheios do Espírito(?) só falam em estar por cabeça, não por cauda, saúde prosperidade

    2- depois Deus me alertou ao fato de os crentes estarem se contentando com as bênçãos do deserto:proteção dos nômades do deserto que viviam de pilhagens e havia muitas coisas precisosas a serem roubadas,
    a presença e direção de Deus, comida, água, roupas, saúde, a Lei ( a Palavra) o sacrifício ( possibilidade de perdão dos pecados) a misericórdia de Deus que não os destruía completamente por fidelidade à Sua Palavra
    Ficaram no deserto por MURMURADO ao olhar para si mesmos e em vez de confiar em Deus para avançar no Seu plano.

    3- enfim: ‘Eu a atrairei ao deserto e ALI lhe falarei ao coração’ Oséias 2.14
    Talvez muitos estejam ‘no deserto’ para serem de novo sensíveis à voz do Senhor
    GRata por seu artigo ter me trazido à lembrança estas precisoas liçoes de Deus
    Att Leda Maria

    Comentário por leda — janeiro 5, 2010 @ 12:12 pm | Responder

  7. Pastor!!!

    Nossa, esse texto foi como um “pedala Bellinha”!

    Realmente, “no deserto a vida ganha valor”…

    Um grande beijo!

    Comentário por Bellinha — fevereiro 24, 2011 @ 6:12 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: