Novos Caminhos, Velhos Trilhos

março 24, 2009

O SALMO MAIS CONHECIDO DA BÍBLIA (23) – Confiança Inabalável

Arquivado em: Estudos — sdusilek @ 5:36 pm

O SALMO MAIS CONHECIDO DA BÍBLIA (23) – Confiança Inabalável

Você já viu a morte bem de perto? Já esteve sob o alcance de sua sombra? Algum acidente, alguma doença que fez com que quase perdesse a vida? Ou conhece alguém que passou por isso recentemente? Que experiência difícil, não é mesmo?

A morte é a mãe de todos os medos e pavores. No fundo de cada medo que sentimos está o medo da morte. Ela é o exemplo máximo de perda, de separação, de dor. A sua proximidade muda a rotina de uma família. Muda também a forma de viver de uma pessoa. Todos tememos a morte.

Na experiência da morte está a presença da solidão. Não podemos levar ninguém conosco. E normalmente, conquanto todos que nos amem emprestem sua solidariedade e carinho, a morte torna-se mais dolorosa pela solidão. Como disse Max Lucado, “solidão não é a ausência de faces, mas a ausência de intimidade. A solidão não vem de se estar sozinho; vem de se sentir sozinho.” Por isso a sombra da morte é tão angustiante.

Mas é aqui que Davi faz uma profissão de fé e de uma confiança inabalável em Deus. Na verdade o termômetro da confiança não é nosso bem estar. O termômetro da confiança em Deus está quando sentimos o “ar frio” da sombra da morte se aproximando. E Davi esboça uma confiança inabalável!

Por que ele temeria a morte se com Ele está o Senhor da vida? Não foi sua realização pessoal, seu estado de “auto-torpor”, ou sua imensa família que lhe dava essa segurança. Nem tampouco suas habilidades como lutador e guerreiro, em cujas batalhas vira por muitas vezes a sombra da morte passar. Mas era o Senhor quem tirava de Davi o medo da morte. A confiança era tal que Davi sabia que um dia o Supremo Pastor o levaria. E esse dia não chegaria antes da hora… Davi sabia que o único que pode estar conosco na hora da morte e na passagem por ela era o Senhor. E a presença dEle nos basta (II Cor.12:9).

A confiança inabalável que Davi tinha em seu Pastor era confirmada pelo bordão (vara) e pelo cajado.

O Bordão era uma vara mais reta e espessa. Era a extensão do braço direito do pastor, e, portanto, símbolo de sua autoridade e poder. Era usado para a disciplina (daí seu caráter punitivo-Lm3:1; Jó 9:34; Is.10:5; Pv.13:24) de ovelhas rebeldes que procuravam afastar-se do grupo e para contagem e exame minucioso das ovelhas (Ez.20:37). O que isso significa?

a) Que nossa vida está debaixo da autoridade de Deus. Ele é o único que tem poder para dá-la, para restaurá-la ou para tirá-la. Por vezes Deus leva alguém antes que veja o mal piorar… (Is.57:1). Não precisamos temer a morte porque Deus está no controle da vida!

b) Esse símbolo pastoral indica também que muitas vezes flertamos com a morte porque em nossa rebeldia e pecado nos aventuramos para fora do rebanho. Aí Deus tem de usar alguns instrumentos corretivos, como bem assinalou Leonardo Boff: má consciência e sentimento de culpa; crítica que sofremos de gente que nos ama; crises que passamos (crise vem do sânscrito kir que quer dizer limpar, purificar. Daí vem o crisol (usado para limpar ouro e prata).

Já o cajado era uma vara feito de junco mais fina. Era o apoio do pastor e comunicava o que é bom. Através do formato de gancho na ponta, o pastor usava para trazer a ovelha para perto, a fim de ter um contato mais íntimo com o pastor. Era usado para desprender a ovelha (cheia de lã) dos espinhos (Mt.13:7,22). Quando o pastor batia o cajado no chão as ovelhas sabiam que ele estava perto delas. O que isso significa?

a) Que por vezes nosso ego faz com que caminhemos para o vale da sombra da morte. Ficar preso entre os espinhos (na parábola do semeador é se enfronhar com a vida terrena pelos prazeres, pelo acumulo de bens) é expectar a morte. O cajado do Supremo Pastor que é eminentemente Sua Palavra faz com que sejamos separados dessas coisas que nos prendem para a morte;

b) Que Deus quer nos trazer para perto. E que a morte é, para nós que cremos em Jesus, o último estágio e convite para ficarmos mais perto dEle. Por que temê-la então?

Finalizo convidando você a não evitar os jardins da dor, da solidão, da prensa, do Getsemane. Ainda que ele seja o seu vale da sombra da morte. E que em nossa boca haja a confiança inabalável do pastor Davi, também expressa pelo pastor Paulo em I Cor.15: 54-57:

“ E quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Pr.Sergio Dusilek

sdusilek@gmail.com

About these ads

1 Comentário »

  1. Adorei esse site vou indicar para meus amigos, o conteúdo é parecido com o do http://www.contradicoesbiblicas.com.br

    Comentário por Samuel — agosto 23, 2009 @ 5:54 am | Responder


Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O tema Rubric. Blog no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: